Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Ecos da Guerra Fria

Tensão entre Estados Unidos e Rússia, agravada por rusga envolvendo ataque químico na Síria, parece uma volta ao passado — em circunstâncias mais perigosas

Por Diogo Schelp Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 30 jul 2020, 20h22 - Publicado em 20 abr 2018, 06h00

“Nós temos de ser duros com os russos. Eles não sabem se comportar”, disse o presidente americano Harry Truman em maio de 1945, quando a II Guerra Mundial se aproximava do seu fim. A frase marca a deterioração das relações entre Estados Unidos e União Soviética, o que poucos anos depois viria a se cristalizar na Guerra Fria. Foi um período de animosidade entre as duas potências que, durante décadas, manteve as tensões militares em altíssimo nível, mas nunca levou a um confronto direto. Ninguém estranharia se a frase de Truman aparecesse em um tuíte do atual presidente americano, Donald Trump. “Prepare-se, Rússia!”, escreveu ele no último dia 11, ao avisar que enviaria mísseis contra alvos na Síria em retaliação a um ataque com armas químicas contra civis ocorrido quatro dias antes, pelo qual o ditador Bashar Assad foi responsabilizado. “Vocês (russos) não deveriam ser parceiros de um Animal Assassino a Gás que mata seu próprio povo e gosta disso!”, continuou o americano no Twitter. Na madrugada do sábado 14, apesar das ameaças do governo russo — que está do lado de Assad na guerra civil síria — de interceptar os mísseis e aviões americanos, Trump cumpriu a promessa e, com a ajuda da França e do Reino Unido, bombardeou três alvos específicos: um centro de pesquisa científica em Damasco e dois depósitos que, segundo as autoridades americanas, guardam arsenal químico nos arredores de Homs.

O ataque não alterará os rumos da guerra síria. Foi calculado para passar a mensagem de que americanos, ingleses e franceses não tolerarão novos ataques químicos. Para não melindrar Moscou, tomou-se o cuidado de não atingir instalações diretamente associadas à presença militar da Rússia na Síria. Horas antes do bombardeio, o secretário-geral da ONU, António Guterres, na abertura de uma reunião infrutífera do Conselho de Segurança, classificou a crescente tensão entre o Ocidente e a Rússia como “uma volta da Guerra Fria com vingança, mas com uma diferença: os mecanismos e as salvaguardas para administrar os riscos que existiam no passado não parecem estar mais presentes”. Ou seja: uma guerra fria mais perigosa que a anterior.

A recente escalada militar entre as potências ocidentais e a Rússia começou em 2015, quando o presidente Vladimir Putin viu na guerra civil síria uma oportunidade de projetar o seu poder para além do seu tradicional quintal geopolítico. Além de opor a Rússia, que herdou a cadeira permanente da União Soviética no Conselho de Segurança da ONU, aos Estados Unidos e aos seus aliados França e Inglaterra (todos também com poder de veto no Conselho), o momento atual guarda outras semelhanças com a Guerra Fria. A primeira é o esforço dos adversários em não travar confrontos militares diretamente, apenas em território de terceiros países, nas chamadas “guerras por procuração”. Essa é a situação na Síria, onde a Rússia ajuda o ditador Assad e os Estados Unidos apoiam rebeldes que tentam derrubá-lo.

Não em meu nome - Protesto em Londres contra o ataque a alvos sírios (Tolga Akmen/AFP)

A segunda similaridade é a sensação de que as tensões podem subitamente transbordar para um conflito em larga escala. “Como na Guerra Fria, há um medo constante de que o gatilho para um confronto real entre os dois países possa ser disparado a qualquer instante”, diz André Gerolymatos, professor de história militar da Universidade Simon Fraser, em Burnaby, no Canadá. A terceira semelhança é o clima de sabotagem e espionagem. Os Estados Unidos acusam a Rússia de interferir em suas eleições, os russos acusam os americanos de apoiar e financiar a oposição a Putin. A espionagem tradicional foi substituída pela ciberespionagem, mas algumas táticas não mudam: no mês passado, um ex-espião russo refugiado na Inglaterra e sua filha foram envenenados com um agente químico que fazia parte do arsenal soviético. O governo inglês viu ali o dedo da Rússia — e ganhou um motivo a mais para unir-se a Trump no ataque à Síria.

O clima de tensão de agora tem semelhanças com os velhos tempos da Guerra Fria, mas há também diferenças essenciais. Guerras por procuração, sensação de insegurança e clima de espionagem existiram em muitos outros momentos históricos. A Guerra Fria também teve tudo isso, mas sua essência foi, acima de tudo, o embate ideológico entre o bloco de países capitalistas, liderado pelos Estados Unidos, e o de nações comunistas, capitaneado pela então União Soviética. Esse embate de ideias era, para ambos os lados, uma questão existencial. “O avanço do comunismo era uma ameaça para a existência do sistema político americano, assim como o era para o francês, o inglês, e daí por diante. Esse perigo não existe atualmente”, diz Igor Lukes, professor de história e relações internacionais da Universidade de Boston. A disputa ideológica se dava em uma ordem global bipolar, com duas superpotências indiscutíveis, os Estados Unidos e a União Soviética, cada qual sentada sobre um monumental arsenal nuclear. Com a vitória do capitalismo americano sobre o comunismo soviético, as bases da Guerra Fria evaporaram.

“Vivemos em um mundo multipolar, ou melhor, em um mundo unipolar em que a superpotência americana enfrenta a ascensão de potências regionais”, diz Heni Ozi Cukier, professor de relações internacionais da ESPM, em São Paulo. Essa constatação leva a mais uma diferença fundamental: o poder e a influência da Rússia, hoje, são apenas uma fração daqueles que a União Soviética exercia em seu auge.

Continua após a publicidade

Se, na realidade, não existe uma reedição da Guerra Fria em curso, pode-se argumentar que o momento atual é ainda mais arriscado. O equilíbrio de poder dos rivais na Guerra Fria fazia com que eles se respeitassem e evitassem cruzar o limiar de um conflito aberto, com consequências catastróficas. Hoje, a ausência desse equilíbrio dá espaço para que países irrelevantes como a Coreia do Norte se tornem uma ameaça global. Na quarta-feira 18, o governo americano revelou que Mike Pompeo, ex-diretor da CIA e futuro secretário de Estado, se reuniu secretamente com Kim Jong-un para discutir os detalhes de um possível encontro do ditador norte-coreano com Trump. Na Guerra Fria, isso teria sido impensável.

Com reportagem de Thais Navarro

Publicado em VEJA de 25 de abril de 2018, edição nº 2579

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.