Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Dom Cristiano de Portugal

Ao marcar todos os quatro gols de sua seleção na Rússia em dois jogos, o autossuficiente português mostrou por que é considerado o melhor do mundo

Por Alexandre Salvador, de Sochi 22 jun 2018, 06h00

Na saída da entrevista coletiva de sexta-feira 15, no Estádio Fisht, em Sochi, o melhor jogador do mundo nas últimas duas temporadas (já foi escolhido cinco vezes, e caminha para o hexa) foi abordado por uma jornalista russa com um pedido um tanto inusitado. Ela queria um autógrafo na própria camisa. “Não me importa que me retirem a credencial, realizei o sonho do meu filho”, disse, ao exibir o troféu. É esse tipo de reação, entusiasmada, fora de tom e das regras, que as atuações do português Cristiano Ronaldo causam nas pessoas. Contra a Espanha, naquela tarde, ele dera um show inimitável de autossuficiência: marcou os três gols de sua seleção no empate por 3 a 3. Foi, de longe, a melhor atuação individual entre todas as estrelas anunciadas da Copa. Marcaria novamente contra o Marrocos, na vitória apertada por 1 a 0.  Fez, portanto, todos — todos! — os gols de Portugal nas duas partidas inaugurais do torneio russo de 2018, um de pênalti, um de bola rolando, um de falta e um de cabeça, o repertório completo de fundamentos. Mais que ele, na Copa, apenas uma curiosa estatística: no fim da primeira rodada, houve cinco gols contra.

Aos 33 anos, Ronaldo pareceu interpretar a si mesmo, um altivo dom Cristiano de Portugal, o rei da arrogância e do carisma, ainda que muitas vezes essas duas características soem contraditórias. À revista France Football, ele deu a declaração perfeita: “Nenhum futebolista faz o que eu faço. Não existe jogador mais completo do que eu”. Nem Messi nem Neymar, segundo o próprio português e a opinião de muita gente.

Como a seleção de Portugal é fraca, o nome do jogo é CR7+10, e ponto. Seus quatro gols na Copa o instalaram em lugar ainda mais alto na história do futebol. Ele superou a marca do lendário atacante da Hungria Ferenc Puskás, vice-campeão mundial de 1954, como o maior artilheiro de uma seleção europeia em todos os tempos: CR7 fez 85 gols em 152 jogos por Portugal. Globalmente, perde só para o iraniano Ali Daei, com 109 tentos. Pelé, o número 1 do Brasil, fez 77 pela canarinho (sua média é maior que a de Ronaldo). Alguém duvida que o atacante do Real Madrid seja capaz de tomar para si o recorde de total de gols? Logo depois da batalha ibérica, VEJA perguntou ao treinador da seleção portuguesa, Fernando Santos, qual é a principal virtude do cracaço. A resposta: “Mais importante que a capacidade física é a capacidade mental que ele tem. Ele é incrível por isso”.

Publicado em VEJA de 27 de junho de 2018, edição nº 2588

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)