Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Dólares da Venezuela

Ex-ministro é acusado de levar 2,5 milhões em espécie

Por Marcelo Rocha 25 Maio 2018, 06h00

Diante das dificuldades de distribuição da revista decorrentes da greve dos caminhoneiros, VEJA, em respeito aos seus assinantes, está abrindo seu conteúdo integral on-line.
Durante quatro anos, o jornalista Franklin Martins comandou a Secretaria de Comunicação do governo Lula. Em tese, era o responsável apenas por distribuir verbas publicitárias e cuidar da imagem do governo. Na prática, era mais que isso. Conselheiro do presidente, ganhou status de ministro, definia estratégias políticas e tinha sinal verde para interferir em várias áreas da administração. Terminado o governo, Franklin Martins decidiu mudar de ramo: trocou o jornalismo pelo marketing político — e está agora enredado na Lava-Jato. Em delação premiada, João Santana e Mônica Moura, ex-­marqueteiros do PT e responsáveis também pela propaganda eleitoral do presidente venezuelano Hugo Chávez em 2012, revelaram que Franklin Martins recebeu cerca de 2,5 milhões de dólares em espécie. Disseram que o pagamento ao ex-ministro foi feito em Caracas. Oficialmente, Franklin Martins coordenou a parte digital da campanha.

A Polícia Federal apura se o dinheiro tem conexão com o petrolão. A Lava-Jato, como se sabe, tinha ramificações no exterior. As empreiteiras que pagaram propina no Brasil faziam operações semelhantes em outros países. Na Venezuela, duas delas, a Odebrecht e a Andrade Gutierrez, comprometeram-se a financiar parte da campanha de Chávez. Por intermédio de seu advogado, Franklin Martins afirmou que a citação de seu nome ocorreu “de forma absolutamente irresponsável”. A pedido da defesa, o ministro Edson Fachin, relator da Lava-Jato, transferiu na semana passada o caso de Curitiba para Brasília. Martins se livrou da pena do juiz Sergio Moro.

Publicado em VEJA de 30 de maio de 2018, edição nº 2584

Publicidade