Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Desgraça no ninho tucano

Aécio Neves vira réu no STF, contagia Alckmin com seu infortúnio e espalha o mau agouro entre investigados

Por Eduardo Gonçalves e Edoardo Ghirotto
Atualizado em 20 abr 2018, 06h00 - Publicado em 20 abr 2018, 06h00

Pau que bate em Chico bate em Francisco. E o que vinha batendo em Curitiba começa finalmente a bater em Brasília. Por ter sido gravado pedindo 2 milhões de reais ao empresário Joesley Batista, por ter indicado para receber o dinheiro seu primo Frederico Pacheco (“Alguém que a gente mata antes dele fazer delação”) e pelas imagens do primo contando as notas e colocando-as na mochila que viajaria até Minas Gerais, o senador Aécio Neves, até há pouco o nome mais vistoso e eleitoralmente poderoso do tucanato, acaba de virar réu no Supremo Tribunal Federal (STF) pelos crimes de corrupção passiva e obstrução da Justiça. A decisão da Primeira Turma da Corte foi acachapante: 5 votos a 0. É a primeira vez desde o início da Lava-Jato, em 2014, que um tucano entra para o rol de políticos processados no STF, categoria em que já se encontram há bom tempo senadores do PT e do MDB.

“Tucanistão” ameaçado – França, do PSB, e Doria, do PSDB: briga pelo governo que está há 24 anos nas mãos do PSDB (Jorge Araújo/Folhapress)

A queda de Aécio Neves é um estrondo. Das urnas presidenciais de 2014, ele saiu com 51 milhões de votos, tornou-se o líder da oposição ao governo petista e, com o impeachment de Dilma, virou o principal fiador do governo de Michel Temer. A dúvida política na época não era se Aécio seria presidente da República, mas quando. Presidente do PSDB por quatro anos, governador de Minas Gerais por dois mandatos e ex-presidente da Câmara dos Deputados, Aécio Neves, além da carreira política, exibia um notável pedigree como neto de Tancredo Neves (veja a coluna de Roberto Pompeu de Toledo).

Às vésperas das eleições presidenciais mais imprevisíveis dos últimos trinta anos, a desgraça do tucano passa a ser também a desgraça de seu partido, já suficientemente desgraçado por conta própria. Na semana retrasada, chegou ao ex-governador de São Paulo e candidato da sigla à Presidência da República, Geraldo Alckmin, a ótima notícia de que o inquérito que o investiga pelo recebimento de 10,7 milhões de reais via caixa dois da Odebrecht tinha sido enviado à Justiça Eleitoral — um caminho bem mais suave que o da primeira instância, que tem sob jurisdição a força-tarefa da Lava-Jato. Mas o alívio durou pouco. Na segunda-feira 16, Paulo Vieira Souza, o Paulo Preto, notório operador financeiro dos tucanos, teve sua prisão preventiva mantida pelo Superior Tribunal de Justiça, ampliando o temor do PSDB de que o homem que proferiu a frase “não se larga um líder ferido na estrada” feche delação premiada. Paulo Preto é suspeito de envolvimento em desvios de dinheiro público nas obras do Rodoanel, cujas investigações abarcam o senador José Serra, outro ex-presidenciável do PSDB que caiu em desgraça, e o chanceler Aloysio Nunes Ferreira, apontado como o tucano mais íntimo de Paulo Preto.

A semana infernal – Alckmin: correligionário vira réu, pesquisa mostra 8% e Justiça abre ação contra dirigentes do metrô (Aílton de Freitas/Agência O Globo)

Para completar o quadro de desconforto para o partido, na quarta-feira dezoito integrantes dos governos estadual e municipal e cinco ex-presidentes do Metrô paulista se tornaram réus por improbidade administrativa. Foi, em resumo, uma semana infernal para o tucanato. E o futuro breve não promete dias melhores. Nesta terça-feira 24, a Justiça analisará o último recurso de Eduardo Azeredo, também ex-­presidente do PSDB e ex-governador de Minas. O resultado do julgamento poderá levá-lo à cadeia pela condenação no escândalo conhecido como “mensalão tucano”.

Alckmin sentiu o cheiro de enxofre e apressou-se em dizer que, “evidentemente”, Aécio Neves deveria desistir de qualquer pretensão eleitoral — fosse à reeleição ao Senado, fosse a deputado. Irritado, Aécio mandou dizer que sua vida política “é decidida em Minas Gerais”. A candidatura de Alckmin precisa ficar longe de problemas. No último Datafolha, ele aparece em quinto lugar, com 6% das intenções de voto, atrás de Lula, Bolsonaro, Marina Silva e Joaquim Barbosa. Sobe até dois pontos nos cenários em que a candidatura de Lula é descartada. É o pior resultado de um tucano nesta altura da campanha desde 1989.

Ferido na estrada – Paulo Preto: preso, sua disposição para uma delação começa a preocupar os tucanos (Rodrigo Capote/Folhapress)

A crise do PSDB é tão profunda que tem impactado até o seu reduto mais fiel — o Estado de São Paulo, o maior colégio eleitoral do país, com 33 milhões de votantes, e há 24 anos uma espécie de Tucanistão brasileiro. Em 2006, Alckmin saiu do governo com 66% de aprovação para disputar o Planalto com Lula — e perdeu. Agora, tem 36% de aprovação e, para piorar, está no meio de uma guerra ferrenha entre os dois candidatos ao seu espólio: João Doria (PSDB) e Márcio França (PSB). O ex-­prefeito largou na liderança, com 29%, mas tem dois problemas. Primeiro, também é o pior número de um candidato tucano ao governo paulista desde 1998. Segundo, sua rejeição bate em 34%, pois jurou que ficaria na prefeitura durante todo o mandato e, nos seus quinze meses como prefeito, fez tudo para deixá-la. Além disso, Doria tem nos seus calcanhares o emedebista Paulo Skaf, com 20% das intenções de voto. Márcio França, o atual governador, soma 8%.

Continua após a publicidade

Alckmin tem o pior desempenho de um presidenciável tucano nas pesquisas desde 1989

São várias as causas que explicam o declínio do PSDB no cenário político-partidário. Especialistas situam no impeachment de Dilma Rousseff o início da descida. A demora dos tucanos em aderir à defesa do processo contra Dilma e assumir sua liderança fez com que a sigla fosse atropelada pelo DEM e por partidos do Centrão. Mais tarde, com a queda de Dilma, o PSDB permitiu, docemente, que sua agenda reformista fosse capturada pelo governo de Michel Temer (MDB), do qual ficou apenas com o ônus: o estigma da associação com uma gestão impopular e também envolvida em denúncias de corrupção.

Mesmo diante de tudo isso, o PSDB teve bom desempenho em 2016. Foi o grande vitorioso dos pleitos municipais, quando passou a governar 24% da população brasileira, marca recorde desde 2000. A atuação positiva caiu por terra com as denúncias da Lava-Jato e as divisões internas do partido sobre o apoio ao governo Temer. “O partido acabou perdendo sua essência, coesão e densidade programática. Ficou parecido com os outros”, afirma Fernando Shüler, professor de ciência política do Insper.

Para além de seus erros estratégicos, o PSDB envelheceu mal. Discussões que estavam no centro de sua agenda, como a do papel do Estado, que pautou todas as últimas eleições desde a redemocratização e ajudou a cimentar a polarização com o PT, perderão espaço no debate público em 2018, acredita o cientista político Rafael Cortez, da consultoria Tendências. “Ganharão relevância as questões identitárias de comportamento, raça, gênero, porte de armas, assuntos que sempre se localizaram nos extremos e o PSDB sempre passou ao largo.” Não por coincidência, o ex-presidente e grão-tucano Fernando Henrique Cardoso faz análise parecida em seu novo livro, Crise e Reinvenção da Política no Brasil (leia a resenha).

Continua após a publicidade

Aécio estava preparado para prestar contrapartidas no momento oportuno.

Raquel Dodge

No plano jurídico, a transformação de Aécio em réu no STF é um divisor de águas. Assim como a prisão de Lula reforçou a jurisprudência sobre a possibilidade de prisão depois de condenação em segunda instância, a instauração do processo contra o senador confirmou o entendimento, iniciado no mensalão, de que não é preciso um “ato de ofício” para que se configure crime de corrupção passiva. Ou seja, não é necessário que haja prova material e cabal de benefício dado por um agente público em troca de vantagem financeira oferecida por um ente privado. Basta que o agente público tenha “condições” de favorecer o ente privado “em razão do cargo”, como define o artigo 317 do Código Penal. No caso de Aécio, sobram provas de que ele pediu a Joesley Batista — e recebeu — 2 milhões de reais, mas não há configuração do benefício que teria concedido ao empresário em contrapartida. Para a procuradora-­geral da República, Raquel Dodge, a conversa travada entre o senador e o empresário se inseriu em um “contexto de reiterado auxílio mútuo” e mostra que, “no momento oportuno”, os 2 milhões seriam devidamente “pagos” pelo senador. “Adotar a tese contrária significará um passe livre para a prática de diversos crimes de corrupção”, acrescentou a procuradora no memorial da denúncia. Os cinco ministros do STF acataram a sua tese.

É uma interpretação crucial. A exigência do “ato de ofício” foi consolidada como jurisprudência no STF no caso do ex-presidente Fernando Collor de Mello em dezembro de 1994. Na ocasião, por 5 votos a 3, o Supremo decidiu absolvê-lo do crime de corrupção passiva justamente por não haver provas concretas que o ligassem ao esquema de arrecadação ilegal de seu tesoureiro, Paulo César Farias. A percepção começou a mudar em 2012 no julgamento do mensalão, que derrubou quase toda a cúpula do PT. Agora, a consolidação desse entendimento também pode complicar a vida do presidente Michel Temer, que já teve duas denúncias barradas pelo Congresso. Seguindo essa perspectiva, seria possível atribuir-lhe “ato de ofício em potencial” por ter indicado a Joesley Batista o seu ex-auxiliar Rodrigo Rocha Loures como interlocutor para cuidar de interesses da J&F. Loures recebeu uma mala recheada de dinheiro com a promessa de influir a favor da J&F em processos do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade).

A última pesquisa Datafolha revelou que nada menos que 84% dos brasileiros são favoráveis à continuidade da Lava-Jato. A natureza suprapartidária do apoio (79% entre os eleitores do PT e 94% entre os do PSDB) seria suficiente para demolir teses sobre o suposto caráter persecutório da investigação, brandido ora por um lado ora por outro, a depender da cabeça em jogo — na semana passada, a atingida foi a do senador Aécio Neves. O pau que bate em Chico e em Francisco alcançou finalmente os tucanos.


Os outros inquéritos de Aécio

1. FURNAS
Acusado de receber propina a partir de desvios da estatal. Crimes: corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

Continua após a publicidade

2. CPI DOS CORREIOS
Suspeito de obstruir apurações para proteger aliados e a si próprio. Crimes: gestão fraudulenta de instituição financeira, falsidade ideológica, corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

3. CAMPANHA DE 2010
Investigado por pedir propina à Odebrecht para irrigar a campanha de Anastasia ao governo mineiro. Crimes: corrupção passiva e ativa e lavagem de dinheiro.

4. CAMPANHA DE 2014
Acusado de intermediar pagamento de 6 milhões de reais para campanha de aliados. Crimes: corrupção passiva e ativa e lavagem de dinheiro.

5. CAMPANHA DE 2014
Suspeito de negociar propina com a Odebrecht para sua campanha à Presidência e em favor de aliados. Crimes: corrupção passiva e ativa e lavagem de dinheiro.

6. HIDRELÉTRICAS
Investigado por receber propina para beneficiar a Odebrecht no leilão das usinas de Santo Antônio e Jirau. Crimes: corrupção passiva e ativa e lavagem de dinheiro.

Continua após a publicidade

7. CIDADE ADMINISTRATIVA
Suspeito de armar um cartel nas obras da sede do governo mineiro para obter propinas. Crimes: corrupção passiva e ativa, lavagem de dinheiro, cartel e fraude em licitações.

8. DESDOBRAMENTO DA JBS
Acusado de receber propina entre 2014 e 2016 e de atuar para ocultar a sua origem. Crimes: corrupção passiva e lavagem de dinheiro.


Senadores que já são réus na Lava-Jato

Os ministros do Supremo Tribunal Federal abriram ações penais contra outros cinco colegas de tribuna de Aécio Neves para apurar atos de corrupção e lavagem de dinheiro

AGRIPINO MAIA (DEM – RN)
Réu por corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Presidente do DEM, é suspeito de receber propina da OAS para facilitar repasses do BNDES à empreiteira.

Continua após a publicidade

FERNANDO COLLOR (PTC – AL)
Réu por corrupção passiva, lavagem de dinheiro e atuação em organização criminosa. É acusado de receber 29 milhões de reais desviados da BR Distribuidora.

GLEISI HOFFMANN (PT – PR)
Ré por corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Presidente do PT, é acusada de receber propina do esquema da Petrobras em sua campanha ao Senado.

ROMERO JUCÁ (MDB – RR)
Réu por corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Presidente do MDB, é suspeito de favorecer a Odebrecht em duas MPs em troca de propina.

VALDIR RAUPP (MDB – RO)
Réu por corrupção passiva e lavagem de dinheiro. É acusado de receber propina da empreiteira Queiroz Galvão disfarçada de doação eleitoral.


Prisão à vista

São enormes as possibilidades de que o PSDB sofra um novo revés jurídico nesta terça-feira 24. Os cinco desembargadores que compõem a 5ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de Minas Gerais analisarão o último recurso capaz de alterar a condenação a vinte anos e um mês de prisão de Eduardo Azeredo no escândalo conhecido como “mensalão tucano”. Azeredo foi sentenciado em segunda instância pelos crimes de peculato e lavagem de dinheiro, cometidos durante sua tentativa frustrada de se reeleger ao Palácio da Liberdade, em 1998. Na ocasião, perdeu para Itamar Franco.

O esquema, que desviou ao menos 3,5 milhões de reais (em valores da época) de três estatais mineiras, foi descoberto em meio às investigações do mensalão, em 2005. Mas teve o julgamento retardado porque Azeredo decidiu renunciar ao mandato de deputado em 2014, pouco antes de o STF iniciar a análise da questão. Com a manobra da renúncia, o processo de Azeredo foi remetido à primeira instância, na qual recebeu uma sentença de vinte anos e dez meses de prisão em 2015. O Tribunal de Justiça de Minas, em agosto de 2017, confirmou a sentença mas a reduziu para vinte anos e um mês.

A defesa só teve o direito de apresentar embargos infringentes ao tribunal porque Azeredo obteve um voto pela absolvição entre os três desembargadores que o julgaram. O relator do caso, desembargador Alexandre Victor de Carvalho, disse que a denúncia era inepta e que não havia provas suficientes para comprovar a participação do ex-governador nos crimes. O revisor Pedro Vergara e Adilson Lamounier discordaram. E votaram pela condenação.

Se o recurso for rejeitado, os advogados poderão interpor embargos de declaração sobre o novo acórdão, cuja finalidade é esclarecer contradições, omissões ou ambiguidades. Os embargos de declaração, porém, não mudam o conteúdo da sentença. Depois disso, Azeredo, assim como ocorreu com o ex-presidente Lula, já poderá ser preso. O julgamento deverá ocorrer ainda neste primeiro semestre.

Apesar de ser réu em um processo que vem se arrastando com uma conveniente lentidão, Azeredo é o primeiro tucano de alta plumagem a chegar tão perto da cadeia. Além de senador e governador de Minas, ele foi prefeito de Belo Horizonte, deputado federal e presidente nacional do PSDB.

Enfim - Denunciado em 2007, Azeredo tenta as últimas manobras para escapar da sentença no “mensalão tucano” (Dida Sampaio/Estadão Conteúdo)

Com reportagem de Victória Serafim

Publicado em VEJA de 25 de abril de 2018, edição nº 2579

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.