Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Cinco novas descobertas sobre o vírus da zika

Achados podem contribuir para o combate mais eficaz da doença

– Não há contaminação por meio da saliva. Pesquisa da Universidade de Wisconsin concluiu que a quantidade de vírus contida na saliva de macacos infectados não é suficiente para transmitir a doença a outro primata

– A transmissão pode se dar pelo pernilongo comum. Até agora, acreditava-se que apenas o Aedes aegypti atuava como transmissor. A descoberta, de pesquisadores da Fiocruz, ajuda a entender por que tantos casos de microcefalia foram detectados em bebês cuja mãe vivia em bairros sem saneamento básico

– Um antiviral contra a hepatite C pode curar infectados. Testes realizados com células em laboratório mostraram que o Sofosbuvir, usado para bloquear a proliferação do vírus da hepatite C e recuperar as células infectadas, tem o mesmo efeito contra o vírus da zika

– Uma vacina produzida a partir do tabaco imunizou camundongos. Cientistas da Universidade do Estado do Arizona criaram uma vacina utilizando-se de uma proteína desenvolvida em bactérias e posteriormente inserida na folha de tabaco. Em testes, ela imunizou 100% dos camundongos infectados com o vírus

– O vírus zika pode causar atrofia nos testículos. Cientistas da Universidade Yale descobriram que o vírus, detectável no sêmen até seis meses após a infecção, pode provocar atrofia nos testículos e reduzir a produção da testosterona no organismo

Publicado em VEJA de 16 de agosto de 2017, edição nº 2543

Este conteúdo é exclusivo para assinantes do site. Assine agora e tenha acesso ilimitado.

Conheça os planos de assinatura OU

Já é assinante? Faça o login