Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Aposentadoria tumultuada

Relatório da Polícia Federal diz que há indícios concretos de corrupção envolvendo Temer, dois de seus mais importantes ministros e dois amigos

Por Daniel Pereira 7 set 2018, 07h00

Não será nada fácil a vida de Michel Temer ao deixar o Palácio do Planalto. Na terça-feira 4, a Polícia Federal concluiu inquérito em que aponta indícios concretos de que o presidente cometeu os crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro ao receber, por meio de prepostos, propina da Odebrecht. Assinado pelo delegado Thiago Delabary, o relatório traz os resultados da investigação sobre dois enredos revelados por VEJA meses antes de a Odebrecht assinar seu acordo de delação premiada. São eles: o pedido de 4 milhões de reais feito à empreiteira pelo atual ministro de Minas e Energia, Moreira Franco, quando comandava a Secretaria de Aviação Civil, e o acordo celebrado entre Temer e o empresário Marcelo Odebrecht, durante jantar no Palácio do Jaburu, para que a companhia fizesse uma contribuição de 10 milhões de reais a próceres do então PMDB em 2014. Segundo delatores da empreiteira, as demandas de Temer e de seus aliados foram atendidas — e os pagamentos, efetuados em dinheiro vivo.

A PF identificou repasse de 1,4 milhão de reais, no começo de 2014, ao coronel João Baptista Lima, suspeito de ser laranja de Temer. Além dele, o advogado José Yunes, amigo do presidente, é citado como intermediário da propina. Yunes confirmou que recebeu um envelope a pedido do chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha, também acusado pela PF, mas não sabia que havia 1 milhão de reais dentro dele. Moreira Franco e Padilha rechaçam as acusações. O coronel Lima só se manifesta nos autos. Já Temer afirma ser vítima de perseguição judicial. Ele já responde a duas denúncias apresentadas com base na delação de Joesley Batista e no processo apelidado de “quadrilhão do MDB” — e que voltarão a andar quando Temer deixar o cargo.

Publicado em VEJA de 12 de setembro de 2018, edição nº 2599


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês