Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

A era da autonomia

Em pouquíssimo tempo, os carros deixarão de ter motorista. Um extraordinário avanço tecnológico — e o fim do automóvel como símbolo de status e liberdade

Idade da Pedra não acabou por falta de pedra, e a Era do Petróleo vai acabar muito antes de o mundo ficar sem petróleo.” A frase, carregada de ironia, foi dita em 1973 pelo xeque Zaki Yamani, ministro da Arábia Saudita durante o abalo sísmico mundial provocado pelos países árabes ao aumentarem em 400% o preço do barril, em resposta à aliança entre Estados Unidos e Israel na Guerra do Yom Kippur. Passado quase meio século daquela boutade, o fim da Era do Petróleo — pelo menos em relação a seu derivado mais famoso, a gasolina — começa finalmente a roçar a realidade, e não por escassez do óleo negro. Do casamento das preocupações ambientais, que praticamente inexistiam nos anos 1970, com os extraordinários avanços da tecnologia, está a caminho uma espetacular mudança em torno do carro, o príncipe do petróleo.

Os veículos elétricos, menos poluentes, representam hoje mero 0,2% dos 95 milhões de automóveis produzidos anualmente e movidos a combustão. Dentro de quinze anos, chegarão a 30% do total. Plugado na tomada, com baterias cada vez mais eficientes e mais baratas, o carro do futuro dará outro passo, exponencialmente estrondoso, ao expulsar o motorista do volante. Hoje, não há mais que alguns milhares de carros sem motorista no mundo, quase todos em fase de teste. Em 2035, estima-se que serão 10 milhões.

O tempo do carro autônomo, alimentado pela inteligência artificial (IA), desperta, naturalmente, um receio luddista. Uma pesquisa feita pelo Pew Research Center, dos Estados Unidos, mostrou que 87% dos americanos têm medo de automóvel sem motorista; acham que deveria ser obrigatório que alguém se sentasse ao volante para assumir o controle em caso de necessidade. É temor que desaparecerá paulatinamente, com a certeza de que os modelos sem controle humano afastam um paradoxo letal: como uma das maiores invenções da civilização moderna pode ser também uma das mais assassinas da história? É mais de 1,2 milhão de mortes no trânsito anualmente. Estimativas sugerem que, caso nada mude, o número subirá para 1,9 milhão de mortes em 2020, agora também provocadas pela distração fatal de uma geração pendurada no smartphone enquanto dirige.

A segurança é, sem dúvida, a chave para o sucesso dos carros autônomos. Mas a riqueza de informações dos movimentos dos automóveis, agregadas por big data e associadas a mudanças de legislação, deve inaugurar um período quase sem acidentes. Os mesmos americanos que temem carros circulando por aí sem motorista sabem que haverá benefícios: 39% apostam na redução da quantidade de acidentes; 31% imaginam que tudo continuará na mesma; e apenas 30% acham que pode piorar.

O carro sem motorista é hoje a aposta das grandes montadoras, lideradas nos Estados Unidos por Ford, GM e Tesla e na Europa por Audi, Mercedes e Volvo, e também dos gigantes de tecnologia da Califórnia, como o Google e a Uber. Elon Musk, dono da Tesla, que pretende nos levar a Marte e inundar as ruas e estradas da Terra de veículos livres, leves e soltos, arrisca: “Quase todos os carros serão autônomos em dez anos”.

O fim dos motoristas é também o adeus ao carro como símbolo de status, de liberdade, de independência, além de uma revolução nos costumes e hábitos de nossa civilização. O engenheiro mecânico Hod Lipson e a analista Melba Kurman escrevem em Driverless: Intelligent Cars and the Road Ahead (Sem Motorista: Carros Inteligentes e a Estrada à Frente): “O hábito de dirigir equivale ao ingresso na idade adulta e à conquista da liberdade; sem a necessidade de licença para dirigir, aos 16 anos nos EUA, aos 18 em outros países, o carro deixará de representar o rito de passagem entre a infância e a idade adulta”.

Nas próximas páginas, VEJA faz um passeio pelo universo dos carros autônomos — que, ressalve-se, antes de rodarem ao léu, serão elétricos. A reportagem traz o resultado de um teste exclusivo em um modelo da Uber realizado em Pitts­burgh, nos Estados Unidos, e discorre sobre o que está na iminência de acontecer e o que ainda é especulação. Mas já não há dúvida de que o início do século XXI marca o fim de 100 anos do carro como o conhecemos e a abertura de uma novíssima janela. Nas palavras de Barack Obama, ao comentar as transformações econômicas ocorridas em seu período na Casa Branca: “Os carros autônomos deixaram o campo da ficção científica para virar uma realidade com potencial de mudar totalmente nosso modo de vida”.

Publicado em VEJA de 1º de novembro de 2017, edição nº 2554

Este conteúdo é exclusivo para assinantes do site. Assine agora e tenha acesso ilimitado.

Conheça os planos de assinaturaOU

Já é assinante? Faça o login