Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

A caçada nunca acaba

Um ex-policial americano conta a turbulenta história da perseguição ao mexicano El Chapo, um dos traficantes mais violentos e ricos do mundo

Por Leonardo Coutinho Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 20 abr 2018, 06h00 - Publicado em 20 abr 2018, 06h00

Confrontado com o número de homicídios dos quais os procuradores federais do México o acusavam, o traficante mexicano Joaquín Archivaldo Guzmán Loera protestou: “Treze mil? Não, talvez uns 2 000”. Qualquer que seja o número correto, é certo que El Chapo Guzmán, como se tornaria internacionalmente famoso, foi um dos arquitetos da escalada de homicídios que pôs o México entre os países mais violentos do mundo. Chefão do Cartel de Sinaloa, ele mandava matar quem ousasse atrapalhar o negócio que lhe permitiu, em 27 anos de crime, acumular uma fortuna estimada entre 14 bilhões e 21 bilhões de dólares. Depois de Pablo Escobar, El Chapo foi quem melhor conectou as regiões produtoras de cocaína na América do Sul com o mercado dos Estados Unidos. Preso pela primeira vez em 1993 — o ano da morte de Escobar —, ele seguiu comandando os negócios de dentro da cadeia, até fugir do presídio, pela porta da frente, em 2001. Converteu-se ali no traficante mais procurado do planeta. A caçada ao criminoso, só recapturado treze anos depois, é narrada pelo ex-policial americano Andrew Hogan no livro Em Busca de El Chapo, escrito com o jornalista Douglas Century.

Membro da DEA, a agência americana de combate às drogas, Hogan trabalhou por quatro anos no México, monitorando as intricadas redes de comunicação e logística do cartel. Aprendeu a decifrar os codinomes dos membros da organização e até a identificar, por certos erros de ortografia, quando El Chapo estava pessoalmente redigindo uma mensagem no celular. O autor por vezes resvala na vaidade, supervalorizando sua parte na história, mas também relata eventos de que não participou.

‘Em Busca de El Chapo’, de Andrew Hogan e Douglas Century (tradução de Laura Folgueira; HarperCollins; 384 páginas; 44,90 reais) (//Divulgação)

As várias tentativas de prender El Chapo formam a passagem mais empolgante da narrativa. Por várias vezes, agentes da DEA e militares mexicanos cercaram esconderijos do bandido — mas, quando invadiam o recinto, não havia mais ninguém lá. As casas usadas como base pelo traficante contavam com rotas de fuga bem planejadas. Em uma delas, a entrada para um túnel ficava escondida sob uma mesa de bilhar; em outra, um clipe para papel enfiado em um orifício na parede fazia uma banheira se erguer, dando acesso aos esgotos. A equipe de Hogan só teve sucesso em fevereiro de 2014, quando El Chapo baixou a guarda e se hospedou em um hotel à beira-mar, sem saídas secretas.

Continua após a publicidade

No ano seguinte, ele fugiria mais uma vez da prisão, por um túnel. Só voltou a ser preso em 2016 (Hogan não participou da operação), traído pelo coração: mandou trazer dos Estados Unidos a atriz mexicana Kate del Castillo, que havia sido a protagonista de uma série de TV na qual ela era chefe de um cartel. O encontro do casal foi monitorado pela polícia. El Chapo chegou a fugir do cerco, de novo por um de seus túneis, mas deu azar: foi pego em uma blitz de trânsito. Extraditado para os Estados Unidos, será julgado em setembro.

Hogan encerra seu livro com desalento. Depois de deixar a DEA acreditando ter cumprido ali a maior de todas a missões que um agente antidrogas poderia ter realizado, ele constatou que a prisão de El Chapo abriu um vácuo que foi imediatamente preenchido por outros bandidos. Ainda não surgiu outro pop star do crime como El Chapo, mas, como todo mundo sabe, é só uma questão de tempo.

Publicado em VEJA de 25 de abril de 2018, edição nº 2579

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.