Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Jaguariúna, a cidade com o maior número de devotos de Irmã Dulce em SP

A comunidade preparou para o próximo dia 20 festa com carreatas em homenagem a santa

Por Adriana Dias Lopes - Atualizado em 13 out 2019, 19h02 - Publicado em 13 out 2019, 18h26

Jaguariúna, no interior de São Paulo viveu hoje um dia de comemorações religiosas com a canonização da Irmã Dulce. A primeira paróquia a levar o nome da santa no país, Paróquia Beata Irmã Dulce, ficou aberta das 7 horas da manhã e encerrá os trabalhos com uma missa, às 19 horas.  O padre, Carlos Roberto de Oliveira, foi ao Vaticano participar da canonização da freira baiana.

A comunidade preparou ainda para o próximo dia 20 uma festa com carreatas das três paróquias da cidade, quermesse e orquestra de violeiros.

Com apenas 50 mil habitantes, a cidade tem o maior número de devotos de Irmã Dulce no estado de São Paulo, Jaguariúna reúne histórias de devoção

Paróquia Beata Irmã Dulce, em Jaguariúna.

Paróquia Beata Irmã Dulce, em Jaguariúna. Egberto Nogueira/VEJA

pela santa. Entre elas, a da dona de casa Isaura Nogueira, que aos 63 anos dedica seu tempo para fazer bonecas de pano com o formato do corpo da santa.

Publicidade

Meu pai tinha Parkinson. Cheguei a deixar minha cidade para ficar com ele, em São Paulo. Durante uma internação, ouvi dos médicos que não havia mais nada a fazer. Eles me pediram autorização para dar uma injeção que o levasse ao fim. Não entendo de medicina, sabia que seu estado era grave, mas senti que não era a hora de ele ir embora. Eu não disse nada. Simplesmente rezei à irmã Dulce, de quem sou devota há muito tempo, com todo o fervor. Pedi simplesmente que meu pai nos deixasse apenas na hora certa. No dia seguinte, o médico que cuidava dele foi substituído no hospital — e o novo doutor teve outra postura. Meu pai viveu por mais dois anos. Hoje passo o dia fazendo bonecas da minha santinha para dar de presente a amigos e parentes.”

 

 

Publicidade