Clique e assine a partir de 9,90/mês

Edir Macedo atribui pandemia a “Satanás” e fala em “interesses econômicos”

Líder da Igreja Universal do Reino de Deus, que reúne mais de 10 mil templos no Brasil, diz que pandemia é fabricada para atender "interesses econômicos"

Por Redação - Atualizado em 15 mar 2020, 20h54 - Publicado em 15 mar 2020, 20h12

O bispo Edir Macedo, líder e fundador da Igreja Universal do Reino de Deus, aparece em um vídeo divulgado neste domingo, 15, no qual subestima a gravidade da pandemia de coronavírus no mundo. Ele diz na filmagem que não há motivo para as pessoas estarem preocupadas com a doença e atribui sua proliferação à mídia e a “Satanás”.

A Igreja Universal possui mais de 10 mil templos em todo o Brasil e milhões de fiéis no mundo. No vídeo, há menção a um depoimento em que um suposto médico descredencia a letalidade da doença. “Todo mundo está assustado, todo mundo está apavorado. E não há, segundo ele, razão para isso”, disse o bispo.

“As pessoas estão apavoradas por algo que verdadeiramente não condiz com a realidade que a mídia tem jogado no ar, com o pavor que a mídia tem usado para levar as populações, as nações [a ficarem] apavoradas com respeito a esse vírus, o coronavírus. Por trás dessa campanha toda do coronavírus existe um interesse econômico, e onde há interesse econômico, aí tem”, afirmou Macedo.

O religioso diz para as pessoas não se preocuparem porque essa é “a tática de Satanás”. “Satanás trabalha com medo, com o pavor, com a dúvida. Satanás apavora as pessoas. E quando as pessoas ficam apavoradas, ficam com medo ou com dúvida, as pessoas ficam fracas, débeis e suscetíveis. Qualquer ventinho que tiver é uma pneumonia para elas”, declarou.

Continua após a publicidade

O Ministério da Saúde informou neste domingo que o Brasil passou de 121 para 200 casos confirmados da doença. São monitoradas 1.913 pessoas por suspeita de infecção. Cultos religiosos têm sido cancelados em todo o país em função das orientações passadas pelas autoridades sanitárias. Para conter a proliferação, a recomendação é para que sejam evitadas aglomerações em espaços públicos e privados. 

Publicidade