Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Tiros em Cid Gomes ilustram tensão crescente entre PM e governo do Ceará

Senador foi baleado ao avançar com retroescavadeira contra amotinados; atos dos grevistas, que pedem reajuste maior, foram considerados ilegais pela Justiça

Por André Siqueira Atualizado em 20 fev 2020, 10h51 - Publicado em 20 fev 2020, 09h51

O dramático episódio envolvendo o senador Cid Gomes (PDT-CE), baleado na quarta-feira 19 ao avançar com uma retroescavadeira contra o portão de um quartel tomado por policiais amotinados, é o capítulo mais violento de uma escalada de tensão entre a Polícia Militar e o governo do estado do Ceará nos últimos meses.

A tentativa de invasão do quartel aconteceu ao fim de uma carreata de Cid por Sobral, reduto do clã Ferreira Gomes e cidade particularmente afetada pelo motim dos policiais. O senador levou dois tiros – um na clavícula e outro no pulmão. O último boletim médico, divulgado pelo Hospital do Coração na manhã desta quinta-feira, afirma que Gomes recebeu alta da Unidade de Terapia Intensiva (UTI) e que seu estado de saúde é estável.

Após o episódio, o ministro da Justiça e Segurança Pública Sergio Moro autorizou o envio da Força Nacional de Segurança Pública “para colaborar com as forças de segurança estaduais na garantia da lei e da ordem”.

A paralisação da categoria remonta a dezembro do ano passado, quando policias e bombeiros militares ocuparam as galerias da Assembleia Legislativa do Ceará reivindicando um reajuste salarial. “Se não melhorar, a polícia vai parar”, gritavam os manifestantes. O governador Camilo Santana (PT) prometeu, então, enviar uma proposta de reestruturação de carreira, anunciada no fim de janeiro deste ano. De acordo com a proposta do governo, o salário policiais militares e civis, bombeiros e peritos forenses seria aumentado, progressivamente, até 2022, de 3,2 mil reais para 4,2 mil reais.

Diante da insatisfação da categoria, o Executivo estadual aumentou a proposta para 4,5 mil reais, mantendo os reajustes progressivos até 2022. No dia 13 de fevereiro, o governo anunciou o acordo com os militares, mas um grupo ligado a uma associação da categoria se manteve insatisfeito. Com a iminência de uma greve, o Ministério Público do Ceará pediu à Justiça que decretasse a ilegalidade dos motins policiais, sob pena de aplicação de multas às associações que apoiassem o movimento.

Continua após a publicidade

Apesar da decisão judicial, a paralisação foi iniciada na terça-feira 18. Os atos, que vão desde o esvaziamento de pneus de viaturas até a retirada de circulação de veículos oficiais, são classificados pela Secretária de Segurança Pública do estado como “vandalismo” e “motim”. Na quarta-feira, antes de  Cid Gomes ser baleado, homens encapuzados em carros da Polícia Militar ordenaram que comerciantes do centro de Sobral baixassem as portas – algumas lojas só voltaram a abrir com a intervenção da Polícia Civil e da Guarda Municipal.

Histórico de reivindicação

Esta não é a primeira paralisação dos militares no Ceará. Entre dezembro de 2011 e janeiro de 2012, durante o governo de Cid Gomes, a categoria ficou em greve por seis dias, reivindicando aumento salarial. A mobilização ficou marcada pela escalada da violência, com diversos episódios de assaltos, arrastões e depredação do patrimônio público. Nas redes sociais, circulavam vídeos de motociclistas encapuzados realizando crimes. Na época, assim como desta vez, a Força Nacional de Segurança Pública foi enviada ao estado.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.