Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Temer diz que favoráveis a seu afastamento têm sido derrotados

Em entrevista à rádio Bandnews, presidente classificou vitória na Câmara como 'expressiva' e rebateu acusação de que usou emendas para 'comprar' votos

Por Da redação
Atualizado em 3 ago 2017, 22h45 - Publicado em 3 ago 2017, 22h31

O presidente Michel Temer (PMDB) concedeu nesta quinta-feira sua primeira entrevista após a Câmara dos Deputados barrar, por 263 votos a 227, a denúncia por corrupção passiva contra ele. À rádio Bandnews, Temer disse que a vitória na votação foi “expressiva”, que aqueles que querem o seu afastamento têm sido derrotados e ainda rebateu as acusações da oposição de que usou emendas parlamentares para “comprar” votos de deputados.

“Ao longo do tempo o que tem acontecido é a derrota daqueles que querem ver prosperar essa eventual possibilidade de afastamento do presidente da República”, afirmou Michel Temer, que ainda deve ser alvo de uma nova denúncia da Procuradoria-Geral da República com base nas delações premiadas dos executivos do Grupo J&F, que controla a JBS, e na gravação de um diálogo entre o presidente e o empresário Joesley Batista.

Na entrevista, Temer voltou a atacar Joesley e reafirmou que não há nada que o incrimine no áudio da conversa, na qual ouviu do delator que ele estava “bem” com o ex-deputado federal Eduardo Cunha (PMDB-RJ), preso, e respondeu: “Tem que manter isso aí”.

“Quando você ouve o áudio não tem nada que incrimine o presidente da república. Aí começou um processo, daí a ideia kafkiana [absurda, surreal], como se o presidente fosse um grande corruptor e o outro fosse o santo da história né”, ironizou.

A respeito das emendas parlamentares, cujo valor empenhado aos deputados foi de 3,1 bilhões de reais entre junho e julho, montante 869% maior que o empenhado entre janeiro e maio, Michel Temer ressaltou que os aportes solicitados pelos parlamentares são impositivos, ou seja, o governo tem a obrigação de pagá-los.

“Quando o parlamentar em seu nome ou em nome da bancada de seu estado apresenta uma emenda até certos valores ela necessariamente tem que ser paga, daí o nome de emenda ‘impositiva’. Tem mais: as emendas foram igualmente pagas, oposição e situação, agora, quem apoia o governo vota com o governo, quem não apoia o governo vota contra o governo”, afirmou o presidente.

Entre os 503 deputados que tiveram seus nomes chamados na votação de ontem, à parte os dez ministros exonerados apenas para voltarem à Câmara, 1,6 bilhão de reais em emendas foi empenhado a parlamentares que votaram contra a denúncia e 1,3 bilhão de reais foi reservado aos que se posicionaram pelo seguimento da acusação ao Supremo Tribunal Federal (STF). A média de emendas a cada deputado governista foi de 6,5 milhões de reais, apenas 10% maior que os 5,9 milhões de reais médios empenhados a oposicionistas.

Na entrevista, Michel Temer ainda falou sobre alguns pontos da reforma política e declarou ser favorável à implantação do Parlamentarismo como forma de governo no país. “No presente momento, o que houve aqui foi a fixação de cláusula de barreira e a eliminação das coligações [em eleições proporcionais]. Acho que poderíamos pensar no parlamentarismo para 2018, não seria despropositado”, sugeriu.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.