Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Sergio Moro: popular até no Oriente Médio

Estudo mostra que parte das mensagens de apoio ao ministro da Justiça provavelmente foi feita por robôs — e uma quantidade considerável veio do Irã

Por Da Redação Atualizado em 12 jul 2019, 10h39 - Publicado em 12 jul 2019, 06h30

Mesmo respaldado pelo presidente Bolsonaro e família (veja a reportagem), o juiz Sergio Moro vem sofrendo seguidos desgastes com a divulgação de suas conversas enquanto comandava a 13ª Vara Criminal de Curitiba. Na capa da última edição, VEJA, em parceria com o site The Intercept Brasil, revelou diálogos inéditos entre Moro e o procurador Deltan Dallagnol, chefe da força-tarefa do Ministério Público em Curitiba. Num deles, o ex-juiz avisa que o procurador havia esquecido de incluir uma prova que reforçaria a acusação contra envolvidos na Lava-Jato. Em outra mensagem, uma delegada diz que Moro pediu que não houvesse pressa em anexar aos autos uma planilha com o nome de políticos com foro privilegiado, o que poderia levar o caso ao Supremo Tribunal Federal (STF). Essas e outras informações da reportagem entraram para os trending topics do Twitter e geraram, entre os dias 5 e 9, 3,2 milhões de menções nessa rede social. Realizado pela Diretoria de Análises de Políticas Públicas da Fundação Getulio Vargas (FGV), um estudo mostra ainda que cerca de 220 000 dessas postagens foram provavelmente feitas por robôs, a maioria delas em tom crítico a VEJA. Outro dado curioso: uma quantidade considerável dessas mensagens supostamente automatizadas veio do Irã. Lá da terra dos aiatolás houve o disparo de hashtags como #glenncomproumandato, #somostodosmoro e #pavaomisteriosovoltou. Como apoios no Oriente Médio ao ex-juiz são pouco plausíveis, a hipótese de que esses perfis sejam robôs é, segundo os especialistas, a mais aceitável.

Apesar do apoio de ciborgues xiitas, a semana não foi fácil para o ministro. Um discreto despacho presidencial publicado no Diário Oficial da última segunda, 8, virou manchete. Segundo ele, Sergio Moro ficará longe de seu cargo entre os dias 15 e 19 deste mês. Por meio da assessoria de imprensa, o Ministério da Justiça ressaltou que o afastamento foi definido dentro da legislação. “Por ter começado a trabalhar em janeiro, o ministro não tem ainda direito a gozar férias. Então, está tirando uma licença não remunerada, com base na Lei nº 8  112, de 11 de dezembro de 1990”, informou o comunicado. No próprio governo o discurso foi outro. Para o porta-voz da Presidência, Otávio Rêgo Barros, Moro precisa descansar para “reenergizar o corpo” e “prosseguir no combate”. Um dia antes da publicação da nota no Diário Oficial, o ministro apareceu no Maracanã ao lado de Jair Bolsonaro na final da Copa América. Vibrou com os gols da seleção de Tite, mas entrou e saiu de lá sem conceder entrevistas.

Embora ele seja o membro mais conhecido do gabinete de Bolsonaro, sua popularidade caiu 7 pontos em comparação com um levantamento de três meses atrás. Segundo pesquisa do Datafolha divulgada no dia 8, ele conta agora com 52% de aprovação (contra 59% em abril). De acordo com o mesmo levantamento, realizado entre os dias 4 e 5 de julho, data da publicação da reportagem de VEJA, 58% dos entrevistados consideraram inadequada a conduta de Moro ao conversar com membros da força-­tarefa, 31% aprovaram a postura do ex-­juiz e 11% não souberam opinar sobre o caso. Quando questionadas sobre os resultados da Lava-Jato, 30% das pessoas entrevistadas consideraram que o ganho no combate à corrupção compensa eventuais excessos cometidos.

Até aqui, além do apoio dos eleitores mais fiéis a Bolsonaro, um dos principais argumentos utilizados pelo ex-­juiz em sua defesa é que ele “não reconhece a autenticidade das supostas mensagens obtidas por meios criminosos, que podem ter sido adulteradas total ou parcialmente”. A obtenção ilegal dos diálogos ainda carece de confirmação — e deve ser punida se for mesmo criminosa. Mas a reportagem de VEJA e fontes que aparecem nas conversas, incluindo o apresentador de TV Fausto Silva, confirmaram a autenticidade do conteúdo. Na semana passada, o The Intercept divulgou o primeiro áudio dos diálogos. Nele, Deltan Dallagnol comemora em um chat a decisão do ministro Luiz Fux, do STF, de proibir a veiculação de uma entrevista com o ex-presidente Lula feita pela Folha de S.Paulo às vésperas das últimas eleições. No áudio, Dallagnol se dirige a colegas do Ministério Público, aos quais recomenda que não divulguem a notícia, para que a novidade não precipitasse recursos. Que ninguém se surpreenda se, em breve, os xiitas do Irã vierem em socorro do procurador.

Publicado em VEJA de 17 de julho de 2019, edição nº 2643

Envie sua mensagem para a seção de cartas de VEJA
Qual a sua opinião sobre o tema desta reportagem? Se deseja ter seu comentário publicado na edição semanal de VEJA, escreva para veja@abril.com.br
Continua após a publicidade
Publicidade