Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Renato Duque terá de explicar contratos que deram rombo na Petrobras

TCU deu prazo de 15 dias para diretor da petrolífera apresentar justificativas para duas refinarias fracassadas que deram prejuízo bilionário

Por Hugo Marques 2 Maio 2022, 14h15

Condenado a mais de 60 anos de cadeia por corrupção e lavagem de dinheiro na Lava-Jato, o ex-diretor de Serviços da Petrobras Renato Duque voltou a ter de se explicar às autoridades, desta vez por falhas nas propostas de construção de duas refinarias que deram prejuízo bilionário aos cofres públicos. Duque foi notificado para, em quinze dias, prestar esclarecimentos ao Tribunal de Contas da União (TCU) sobre as transações.

Em 2015, a Petrobras cancelou a construção das duas refinarias, uma em Bacabeiras (MA) e outra em Caucaia (CE), gerando um prejuízo na época de 2,7 bilhões de reais em obras como serviços de terraplanagem. Segundo o TCU, houve “descumprimento do dever de diligência”, já que a construção das refinarias foi aprovada com falhas graves, incluindo a ausência de estudos suficientes para aumentar a capacidade de refino, falta de projetos sobre o local que abrigaria uma das obras, avaliação econômica com erros e aval para a compra antecipada de equipamentos, mesmo contra a recomendação de equipes técnicas.

Renato Duque comandou o naco da Petrobras de onde, segundo as investigações da extinta força-tarefa da Curitiba, o PT retirava recursos para irrigar campanhas políticas. Principal operador do partido na empresa, ele relatou ao então juiz Sergio Moro que, com a Lava-Jato já em curso, encontrou-se secretamente com o ex-presidente Lula, num hangar do Aeroporto de Congonhas, e recebeu ordens para fechar as contas de propina criadas a partir de desvios em contratos da estatal e mantidas no exterior. Também partiu de Duque a acusação de que Lula e o ex-ministro petista José Dirceu pediram propinas de mais de 130 milhões de dólares em troca de contratos com a Sete Brasil, empresa criada para administrar ativos do pré-sal.

Caso as justificativas do ex-executivo da Petrobras ao TCU não sejam convincentes, ele pode ser condenado a pagar multa, ser inscrito no cadastro de inadimplentes do governo e ter as contas rejeitadas, o que o inabilitaria para ocupar cargos de confiança na administração pública.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês