Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

PT compõe com Maia e quer mulher pré-candidata à presidência da Câmara

Presidente nacional do partido, Gleisi Hoffmann diz que está 'mais que na hora' de mulher ter protagonismo na disputa

Por Mariana Muniz Atualizado em 19 dez 2020, 14h13 - Publicado em 19 dez 2020, 13h38

A bancada do PT, que anunciou nesta sexta-feira a participação no bloco do atual presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), quer que o “bloco de esquerda” indique uma mulher para a disputa pela presidência da Casa. 

Ao menos é o que deseja a presidente do maior partido da Câmara, a deputada Gleisi Hoffmann (PT-PR). O PT conta com 54 deputados, e decidiu integrar o grupo de dez partidos que farão oposição à candidatura apoiada por Jair Bolsonaro, a de Arthur Lira (PP-AL). 

A indicação de um pré-candidato para disputar a preferência com Aguinaldo Ribeiro (PP-PB) e Baleia Rossi (MDB-SP), os favoritos de Maia, foi a condição para que o PT ingressasse na aliança — ao lado de outras siglas da esquerda, como PDT, PSB e PCdoB. “O que pesou para entrarmos no bloco de Maia foi o compromisso de defender a democracia, direitos civis e a independência do Legislativo”, disse Gleisi.

Neste sábado, Gleisi afirmou que está “mais que na hora de uma mulher ter protagonismo na disputa pela presidência da Câmara” e deu a entender que o PSOL também pode aderir ao bloco de Maia. Nos bastidores, o comentário é que a deputada tem tentando convencer a legenda.

“Na esquerda temos companheiras valorosas: Benedita da Silva, Lidice da Mata, Luiza Erundina, se o PSOL estiver no bloco. Todas c/ grande experiência parlamentar, vivência e conhecimento da Casa”, escreveu a presidente do PT nas redes sociais.

Com o apoio do PT, o bloco partidário liderado por Maia reunirá 280 dos 513 deputados. A maioria, contudo, não garante vitória ao eventual candidato do bloco: há dissidências no PSB e no PSL, que apoiarão Lira.

Continua após a publicidade
Publicidade