Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Possível cassação de Moro gera profusão de candidaturas no Paraná

Senador é acusado de cometer crime de abuso de poder econômico nas eleições de 2022 e será julgado pela Justiça Eleitoral no começo de abril

Por Ricardo Chapola
Atualizado em 8 Maio 2024, 12h42 - Publicado em 2 mar 2024, 18h00

A possibilidade de a Justiça Eleitoral cassar o mandato do senador Sergio Moro (União-PR) desencadeou no Paraná uma profusão de pretendentes à vaga , caso o ex-juiz da Lava Jato seja, de fato, condenado. O julgamento do caso está previsto para o início de abril e é acompanhado com muita atenção por pelo menos nove autoridades que estão de olho no posto.

O ex-juiz da Lava Jato é acusado de ter cometido abuso de poder econômico durante a campanha eleitoral de 2022. A alegação é de que Moro realizou gastos elevados em sua pré-campanha à Presidência da República naquele ano. Depois, ao optar por disputar a vaga no Congresso, teria se beneficiado desses gastos em detrimento dos demais candidatos. Se o Tribunal Regional Eleitoral do Paraná (TRE-PR) considerar as acusações procedentes, Moro terá o mandato cassado e ficará inelegível por oito anos. Uma nova eleição será convocada.

A movimentação em torno dessa possibilidade é intensa. Dentre os cotados para disputar o cargo está, por exemplo, a ex-primeira-dama Michelle Bolsonaro (PL). Na pesquisa mais recente, realizada pelo instituto Paraná no fim de 2023, Michelle  aparecia em primeiro lugar, com 35,7% das intenções de voto, dez pontos percentuais a mais que o segundo colocado, o ex-senador Alvaro Dias (24,4%), e mais que o dobro da deputada Gleisi Hoffmann (16,2%), a provável candidata do PT.

“Michelle é favorita, mas se forem apresentadas várias candidaturas de centro-direita, como parece que vai acontecer, Gleisi terá mais chance de vencer”, diz Murilo Hidalgo, diretor do instituto. Além de Michelle, o PL tem o ex-deputado Paulo Martins como opção. O ex-ministro e deputado Ricardo Barros (PP) e o Alvaro Dias (Podemos) completam a lista dos favoritos.

Aliado e correligionário de Jair Bolsonaro, Paulo Martins vinha sendo cotado naturalmente como o nome mais forte do PL  para a eventual eleição suplementar. Ele, inclusive, já teria recebido o sinal verde de Valdemar Costa Neto, o presidente do partido, para começar a se apresentar como pré-candidato do partido. Na eleição passada, em 2022, o ex-deputado concorreu ao Senado e ficou em segundo lugar, atrás de Sergio Moro.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.