Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Os novos ricos da Lava Jato

Operação produz uma nova casta de milionários: os advogados criminalistas pagos a peso de ouro para livrar das grades os poderosos acusados de corrupção

Algumas das marcas que a Lava Jato registrou até agora dificilmente serão superadas tão cedo. Na lista de milionários que a operação transformou em réus estão integrantes de duas das dez famílias mais ricas do Brasil. Somados, o patrimônio dos Odebrecht e dos Batista superam 8 bilhões de dólares. Estão, também, cinco donos e presidentes das maiores empreiteiras do país, cujo faturamento total representa mais de 26% de todo o dinheiro movimentado pela construção civil no Brasil. Estão, por fim, 37 políticos aparentemente muito bem remunerados pelos serviços ilicitamente prestados, tanto que o montante de propinas pago a parlamentares e agentes públicos pelas empresas envolvidas no petrolão já bateu na casa dos 10 bilhões de reais.

A essa fieira de cifras superlativas, outra se junta agora. Ao longo dos três anos de duração da maior operação anticorrupção do Brasil, o cortejo de ricos que desfilou pelas barras dos tribunais não deixou lá apenas a inocência. Uma parte de sua fortuna ficou por ali também — mais especificamente no bolso dos advogados contratados para defendê-los. Antes da Lava Jato, eram cerca de quarenta as grandes bancas de criminalistas do país, concentradas sobretudo em São Paulo e no Rio. Hoje, esse número dobrou. O novo mercado abrange Brasília e Curitiba e emprega uma rede de mais de 1.200 profissionais, que inclui desde o recém-formado encarregado de ir à penitenciária só para levar roupa lavada ao encarcerado vip até os defensores que não protocolam uma petição em tribunais superiores por menos de 1 milhão de reais. Poderosos entre os poderosos, esses supercriminalistas têm em torno de 40 anos, vêm de faculdades fora do eixo tradicional e já cobram entre 5 milhões e 8 milhões de reais por causa — pouco abaixo dos 10 milhões dos advogados da velha-guarda.

Adriano Bretas, que ilustra a foto da capa de VEJA nesta semana e a desta reportagem, é uma das mais jovens estrelas da geração Lava-Jato. Aos 35 anos, trocou a sala de 40 metros quadrados no centro de Curitiba por um andar inteiro no mesmo prédio. “Desfruto de um padrão de vida que jamais sonhei ter”, admite. O novo padrão inclui ótimos vinhos e charutos cubanos Cohiba Behike (350 reais a unidade). Formado na Faculdade de Direito de Curitiba e filho único de um criminalista, ele hoje acompanha cerca de cinquenta processos da Lava-Jato relacionados a quinze clientes. Estima-se que já tenha embolsado em razão da operação algo na linha de 20 milhões de reais.

Aos 34 anos, Ticiano Figueiredo é outro dos novos ricos. Em sua carteira de clientes figuram nomes como o ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) e os empresários Joesley e Wesley Batista. Pouco mais de dez anos atrás, Figueiredo alternava o curso de direito na Universidade de Brasília com o trabalho de promoter de festas na capital federal. Morava em um apartamento de paredes finas no bairro de classe média do Sudoeste, em Brasília, e tinha um Ford Fiesta na garagem. Hoje, vive em uma casa de 5.000 metros quadrados no Lago Sul, dirige um SUV da montadora Jaguar e comemora vitórias profissionais com brindes de Château Pétrus (era dia claro ainda quando, numa quinta-feira de outubro, ele e seu sócio abriram uma garrafa do tinto bordelês, safra 1973, comprado em leilão por 9.000 reais, para comemorar a aceitação do pedido de desbloqueio na Justiça de 60 milhões de reais dos irmãos Batista).

 

Assine agora o site para ler na íntegra esta reportagem e tenha acesso a todas as edições de VEJA:

Ou adquira a edição desta semana para iOS e Android.
Aproveite: todas as edições de VEJA Digital por 1 mês grátis no Go Read.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Aí sim, mora o verdadeiro câncer social. A máfia da OAB.

    Curtir

  2. O famoso advogado de porta de cadeia, na versão gourmet.

    Curtir

  3. Esse regozijo nada mais é do que uma hipocrisia. Sei que é difícil comprovar, mas não é difícil aceitar, que o dinheiro que os clientes pagam a esses advogados também é fruto de propina, de falcatruas, de vantagens indevidas, de conluios etc. Para a OAB tudo bem, não é mesmo? Não interessa a cor do dinheiro dos honorários. Interessa que seja dinheiro. Fazer o quê.

    Curtir

  4. Agricio Balbi

    Certo…, mas a pergunta que não quer Calar… com que dinheiro estão sendo pago,… esses novos “advogados” ricos, pois os clientes só tem dinheiro roubado.

    Curtir

  5. PODEROSOS OU CRIMINOSOS, ESTUPRADORES DE COFRES PÚBLICOS, ASSASSINOS SOCIAIS, ESCÓRIA DA SOCIEDADE?

    Curtir

  6. Marry Oliverrah

    Verdadeiros advogados do diabo.

    Curtir

  7. para mim a conclusao é obvia. Vao encher os bolsos desses advogados de dinheiro roubado, edepois vao sai da cadeia e viver ricos com o dinheiro guardados por esses canalhas

    Curtir

  8. NA VERDADE SÃO GIGOLÔS DE BANDIDOS — FICARAM RICOS RECEBENDO DINHEIRO DE LADRÕES — DE ONDE VEM O DINHEIRO DOS ADVOGADOS DO SÉRGIO CABRAL SE OS BENS DE TUDO QUE ELE ROUBOU ESTÁ BLOQUEADO ? AONDE O DINHEIRO ESTÁ ESCONDIDO ?

    Curtir

  9. Dinheiro Amaldiçoado

    Curtir