Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

O plano de Arruda e Paulo Octávio para o DF

Políticos históricos de Brasília, ambos articulam sigilosamente chapa para disputar governo local

Por Letícia Casado 23 jun 2022, 18h41

O ex-governador José Roberto Arruda (PL) conta com uma decisão judicial, segundo aliados, iminente, para derrubar suas últimas condenações judiciais para voltar a se tornar elegível e, por consequência, se qualificar para disputar cargos eletivos. De acordo com interlocutores, a estratégia está sendo desenhada com apoio do presidente Jair Bolsonaro (PL), de quem Arruda se aproximou e virou conselheiro, e do empresário Paulo Octávio (PSD), que também pretende voltar à cena política.

O objetivo de Arruda é disputar o governo do Distrito Federal contra o atual mandatário, Ibaneis Rocha (MDB). Neste caso, Paulo Octávio sairia como candidato ao Senado, cargo que ocupou entre 2003 e 2006. Por este raciocínio, a ex-ministra Flávia Arruda (PL) tentaria a reeleição para a Câmara dos Deputados.

Embora liminares de quaisquer tribunais tenham o mesmo efeito prático, a ideia é tentar uma decisão provisória junto ao Superior Tribunal de Justiça (STJ), última instância antes do Supremo Tribunal Federal (STF), para, ao concorrer ainda sub judice, “dificultar” que adversários políticos revertam o recurso com facilidade. Ainda assim, se o “plano STJ” não vingar, o foco das atenções da virtual campanha de Arruda será disputar uma cadeira como deputado federal com uma liminar pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE). Neste caso, Paulo Octávio disputaria o governo e Flávia, o Senado. O empresário também é próximo de Bolsonaro.

Paulo Octávio foi deputado em dois mandatos (1991 e 1999). Assumiu uma vaga no Senado em 2003 e se licenciou em 2007 para assumir como vice-governador de José Roberto Arruda. Em 2012, Arruda foi preso e afastado do cargo, e o empresário assumiu o governo. Ambos foram acusados de envolvimento no escândalo do Mensalão do DEM. O empresário renunciou pouco depois e chegou a ser preso durante alguns dias em 2014.

Senado – Ao analisar o cenário eleitoral em Brasília, aliados de Arruda afirmam ainda que a entrada da ex-ministra Damares Alves (Republicanos) na disputa por um cargo no DF vai provocar uma situação inusual porque ela deve compor a chapa de Ibaneis. Em clima de campanha, Damares participou nesta semana de evento com o governador. Amiga da primeira-dama, Michelle Bolsonaro, a ex-ministra gostaria, de fato, de ser convidada para ocupar a vaga de vice do presidente na chapa pela reeleição. 

Em 2018 o DF registrou 2,08 milhões de pessoas aptas a votar, segundo o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) —o equivalente a 1,41% dos mais de 147,3 milhões de eleitores do país. Bolsonaro obteve 70% dos votos válidos no segundo turno.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)