Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Maioria da população avalia bem a participação de militares no governo

Pesquisa exclusiva mostra que, para 62,1% dos entrevistados, não há risco de golpe

Por Thiago Bronzatto Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 4 jun 2024, 13h21 - Publicado em 5 mar 2021, 06h00
IMAGEM - Bolsonaro: a população o vê mais como militar do que como civil -
IMAGEM – Bolsonaro: a população o vê mais como militar do que como civil – (Marcos Corrêa/PR; Alan Santos/PR; Getty Images/.)

Arte militares 1

É patente a mudança de perfil do governo de Jair Bolsonaro. O núcleo mais ideológico, que tinha protagonismo no início do mandato, perdeu força. O superministro Sergio Moro, que personificava a promessa de combate à corrupção, pediu demissão e se tornou adversário do presidente. Já o núcleo militar cresceu e conquistou espaços, não apenas em cargos, mas em missões consideradas estratégicas do ponto de vista político. A mais recente delas envolve a Petrobras. Descontente com os reajustes nos preços dos combustíveis, Bolsonaro decidiu demitir o presidente da empresa, Roberto Castello Branco, e substituí-lo pelo general da reserva Joaquim Silva e Luna, diretor-geral da Itaipu Binacional. Não é uma troca qualquer, já que a Petrobras era área de influência do chefe da equipe econômica, Paulo Guedes. Com a mudança, os militares, que já comandavam ministérios de ponta, passarão a chefiar também a maior estatal brasileira. É de fazer inveja ao notório Centrão. É também um fato digno de nota: desde a redemocratização, nunca foi tão grande a influência de representantes das Forças Armadas no Poder Executivo.

 

POP - General Heleno, chefe do GSI: 2 milhões de seguidores nas redes sociais -
POP – General Heleno, chefe do GSI: 2 milhões de seguidores nas redes sociais – (Alan Santos/PR)

Arte militares 2

Continua após a publicidade

Por mais que neguem publicamente, a administração Bolsonaro e a caserna se confundem cada vez mais — e o resultado dessa parceria tem sido benéfico para o presidente. É o que mostra uma pesquisa inédita realizada pelo Instituto Paraná Pesquisas, que ouviu 2 020 pessoas em 194 municípios, de todas as unidades da Federação, entre os dias 25 de fevereiro e 1º de março. Segundo o levantamento, metade dos entrevistados considera positiva a presença de integrantes das Forças na administração pública, enquanto 36,4% avaliam como negativa. Entre os demais consultados, 7,8% se dizem indiferentes e 5,8% não sabem ou não quiseram opinar. “Os militares têm uma boa imagem porque são associados à manutenção da ordem pública e à intolerância às práticas de corrupção”, diz Murilo Hidalgo, diretor do instituto. “O governo Bolsonaro não teve ainda nenhum escândalo de corrupção. Isso, de certa forma, é creditado pela população à atuação de militares em postos-chave”, acrescenta. A pregação dos oficiais contra a roubalheira é conhecida. Durante a campanha, o general Augusto Heleno, que hoje comanda o Gabinete de Segurança Institucional (GSI), chegou a comparar o Centrão a um ladrão. Eram outros tempos. Agora, são todos aliados e base de apoio do presidente. Pop, Heleno tem mais de 2 milhões de seguidores em suas redes sociais.

SEM REELEIÇÃO - General Hamilton Mourão: o vice-presidente prepara voo-solo na política em 2022 -
SEM REELEIÇÃO - General Hamilton Mourão: o vice-presidente prepara voo-solo na política em 2022 – (Bruno Batista/VPR/.)

arte militares

Dados públicos mostram que os militares estão à vontade com as convocações para assumir tarefas civis. De acordo com o Tribunal de Contas da União (TCU), a quantidade de membros das Forças Armadas em cargos comissionados na administração passou de 1 934, em 2018, para 2 643, em 2020. Já o Ministério da Defesa registra que atualmente há 3 314 militares despachando no Executivo, sendo 1 881 integrantes do Exército, 731 da Aeronáutica e 702 da Marinha. Dos 23 ministros de Estado, nove têm formação militar. Eles estão à frente de pastas como Casa Civil (general Braga Netto), Minas e Energia (almirante Bento Albuquerque) e Saúde (general Eduardo Pazuello). Essa participação é resultado de uma aposta feita ainda na campanha eleitoral. Bolsonaro já admitiu publicamente que deve a sua vitória ao então comandante do Exército, general Villas Bôas, autor de uma mensagem numa rede social que teria servido como instrumento de pressão para que o Supremo Tribunal Federal (STF) mantivesse preso o ex-presidente Lula. Vitorioso no páreo, Bolsonaro, que já tinha o general Hamilton Mourão como vice-­presi­den­te, fez de Villas Bôas seu assessor especial e convocou generais para os ministérios. O presidente nunca escondeu que conta com sua tropa particular para superar dificuldades diversas.

No ano passado, no auge da tensão entre os poderes, Bolsonaro — contrariado com decisões que, segundo ele, usurparam competência do presidente da República — chegou a acusar o Judiciário de cometer abusos. Na época, participou de uma manifestação pelo fechamento do Congresso e do STF ao lado do general Luiz Ramos, ministro da Secretaria de Governo e responsável pela articulação política que levou o Centrão ao governo. Para os adversários, o presidente usa os militares como instrumento de disputa de poder, como arma de pressão contra as instituições. O Instituto Paraná perguntou se a aproximação entre as partes representa de fato uma ameaça à democracia. Para 62,1% dos entrevistados, os militares não querem tomar o poder. Já 31,5% disseram temer uma ruptura institucional. “Acho improvável que haja nos altos-comandos apoio a um golpe. Certamente, não haverá na Marinha e na Aeronáutica, que apenas querem recursos para seus projetos”, diz o historiador José Murilo de Carvalho, autor do livro Forças Armadas e Política no Brasil.

Continua após a publicidade
O AMIGÃO - General Ramos: o ministro responsável pela articulação política levou o Centrão para dentro do governo -
O AMIGÃO - General Ramos: o ministro responsável pela articulação política levou o Centrão para dentro do governo – (Wagner Pires/Futura Press/.)

Arte militares

Se há controvérsia sobre o risco de golpe, não restam dúvidas em relação às vantagens obtidas pelos militares com a adesão ao governo. Bolsonaro sancionou a reforma da previdência das Forças Armadas garantindo determinadas benesses à categoria, como reajuste no soldo e o direito de se aposentar com o último salário. Além disso, o orçamento do Ministério da Defesa saltou de 100,9 bilhões de reais, em 2018, para 114,6 bilhões de reais, em 2020, um recorde. “Isso deu às Forças Armadas a oportunidade de defender suas prerrogativas corporativas. E elas aproveitaram essa oportunidade para preservar privilégios”, diz o cientista político americano Antho­ny Pereira, professor titular da King’s College de Londres. Segundo o Instituto Paraná, Bolsonaro pode ganhar inclusive eleitoralmente ao ampliar a participação verde-oliva na administração. De acordo com o levantamento, 40,3% dos entrevistados disseram que a presença de integrantes das Forças Armadas na máquina pública tem uma influência positiva nas urnas, enquanto 34,7% apontaram essa condição como um fator negativo. “A gestão de Bolsonaro absorve a força da imagem dos militares e isso se reverte em pontos positivos com os eleitores”, avalia Murilo Hidalgo.

Os militares costumam alegar que a participação deles ocorre em nível particular. Ou seja: seria errado dizer que as Forças Armadas são sócias da administração Bolsonaro. A tese também é controversa. Dois casos deixam isso muito claro. Um deles foi a cobrança da cúpula do Exército para que Luiz Ramos passasse para a reserva depois que ele participou da manifestação que pedia o fechamento do Congresso e do Supremo. Outro é a pressão para que o general Eduardo Pazuello, titular da Saúde, deixe a pasta ou passe para a reserva, o que poderia afastar o desgaste de sua gestão da imagem do Exército. Aliás, Pazuello, segundo a pesquisa, é uma exceção nessa onda de popularidade. Embora boa parte dos entrevistados no levantamento considere que os militares têm uma atuação positiva no combate à pandemia, 44,3% das pessoas ouvidas julgaram como negativa a gestão do ministro. “Hoje, as pessoas o veem mais como ministro e menos como militar”, afirma Hidalgo. Situação inversa à de Bolsonaro: 56,9% dos entrevistados enxergam o presidente mais como militar do que como civil.

Publicado em VEJA de 10 de março de 2021, edição nº 2728

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.