Clique e assine com até 92% de desconto

Maia articula para votar adiamento das eleições

Encontros neste sábado e domingo visam a diminuir resistência do centrão

Por Nonato Viegas Atualizado em 27 jun 2020, 15h54 - Publicado em 27 jun 2020, 15h24

O presidente da Câmara, o deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ), trabalha neste fim de semana em séries de encontros em Brasília para convencer líderes do centrão a pôr em votação na próxima terça-feira, 30, a proposta de emenda à Constituição que permite adiar as eleições de outubro para novembro.

São duas as linhas de argumentação: a primeira sinaliza para a possibilidade de recompor o Fundo de Participação dos Estados e Municípios na ordem de 5 bilhões de reais; e a segunda está no fato de que o Supremo Tribunal Federal (STF) vai alterar a data caso o Congresso não o faça.

Segundo um dos líderes que participam das articulações, as conversas caminham para um acordo. Para ele, a recomposição do fundo é necessária, assim como o adiamento das eleições. “Estamos conseguindo sensibilizar as lideranças aos poucos”, diz.

A dificuldade para se aprovar a PEC, que já passou pelo Senado, ocorre porque prefeitos e vereadores que buscam a reeleição pressionam os deputados, alegando que, caso o calendário o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) seja alterado, os adversários teriam mais tempo para fazer campanha contrária, prejudicando os políticos que estão nos cargos.

As bancadas mais sensíveis são as das legendas de centro, principalmente as do MDB, PP, PL, DEM, Republicanos e PSL. Somadas, as legendas têm 216 deputados de 513. Para a aprovação de uma PEC, são necessários 308 votos em dois turnos.

A expectativa é que ao colocar os 5 bilhões a disposição dos governadores e prefeito a resistência na Câmara fique menor. As conversas na residência oficial da presidência da Câmara vão permanecer ao longo deste sábado e de domingo, 28.

Continua após a publicidade
Publicidade