Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Lula prepara ofensiva contra garotos-propaganda da corrupção 

Campanha do presidente pretende usar na TV delações premiadas de Antonio Palocci e empreiteiros pilhados na Lava-Jato para tentar desgastar adversário

Por Laryssa Borges Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
11 set 2022, 10h16

A campanha do ex-presidente Lula (PT) prepara uma ofensiva jurídica junto ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para tentar conter a mais recente estratégia do presidente e candidato à reeleição Jair Bolsonaro (PL) de explorar escândalos de corrupção petistas no programa eleitoral de rádio e televisão. As peças publicitárias da campanha bolsonarista que tratam abertamente de casos de corrupção do adversário representavam até a terça-feira, 6, apenas cerca de 20% de toda a propaganda, mas levantamentos internos do staff do atual mandatário mostram que relacionar a imagem de Lula a garotos-propaganda considerados problema, como o ex-ministro Antonio Palocci, que na Lava-Jato relatou entregas de dinheiro ao petista, e o operador do mensalão Marcos Valério, que em delação premiada detalhou esquemas de propina e vinculou setores do partido a uma facção criminosa, são um senhor dividendo eleitoral.  

“Precisamos relembrar o histórico de corrupção do PT”, disse a VEJA um estrategista de campanha. Desde já conselheiros de Bolsonaro entraram em campo para listar outros rostos conhecidos do noticiário policial para serem vinculados à imagem de Lula. Na lista devem constar, por exemplo, empreiteiros como Marcelo Odebrecht e Leo Pinheiro, ambos acusadores do presidenciável e presos no petrolão. A própria campanha de Lula já detectou como provável o uso de delatores da Lava-Jato na propaganda bolsonarista e orientou o corpo jurídico a bater às portas do TSE sempre que depoimentos desses personagens forem exibidos. A ideia é tentar retirar do ar o mais rápido possível qualquer declaração de detratores que, na avaliação de petistas, foram usados politicamente na Lava-Jato para incriminar o ex-presidente.  

“Vamos procurar o Judiciário para retirar qualquer material que for incompatível com decisões que reconheceram a ilegalidade dos processos contra o presidente. Isso vale, por exemplo, para delações premiadas que foram usadas politicamente para atingi-lo e para a exploração de condenações já anuladas ou derrubadas pela Justiça”, disse a VEJA o advogado de Lula, Cristiano Zanin, responsável pela ofensiva da campanha junto à Justiça Eleitoral. 

Por trás da estratégia de usar as acusações contra o concorrente como cabo eleitoral estão pesquisas internas que mostram aversão de parte importante do eleitorado ao PT, mas também o diagnóstico de que uma parcela dos jovens que hoje afirma votar em Lula não se lembra ou desconhece notórios escândalos como o mensalão e o petrolão.

Eleitores que com 16 anos podem votar pela primeira vez em outubro, por exemplo, sequer eram nascidos quando veio à tona o esquema de compra de parlamentares em 2005, durante o primeiro mandato de Lula, e que resultou na condenação de 24 pessoas, incluindo grão-petistas como o ex-ministro José Dirceu, o ex-presidente do partido José Genoino e o ex-tesoureiro Delúbio Soares. No caso da Lava-Jato, a avaliação do QG de Bolsonaro é que valeria a pena rememorar o que disseram delatores contra Lula – ainda que o Supremo Tribunal Federal (STF) tenha anulado as condenações do petista por ter considerado o então juiz Sergio Moro parcial nos julgamentos. 

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.