Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Lula pede ao Supremo acesso a diálogos obtidos por hackers

Defesa sustenta que material serve à argumentação de que Sergio Moro e procuradores do MPF agiram com parcialidade na Operação Lava Jato

Por Leonardo Lellis Atualizado em 13 ago 2019, 12h13 - Publicado em 13 ago 2019, 11h41

Os advogados do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) apresentaram um pedido ao Supremo Tribunal Federal para terem acesso aos diálogos que foram apreendidos na Operação Spoofing, que deteve quatro pessoas suspeitas de acessarem, através de invasão de telefones celulares, as mensagens de autoridades como o ministro Sergio Moro (Justiça) e o procurador Deltan Dallagnol, do Ministério Público Federal.

A defesa quer, no mérito, que seja reconhecida a suspeição dos procuradores do MPF responsáveis pela denúncia no caso do tríplex do Guarujá, que levaram à condenação de Lula pelo então juiz Moro no âmbito da Operação Lava Jato, e a anulação do processo, que teve sentença confirmada no Tribunal Regional Federal da 4ª Região. E o acesso às conversas é medida para exercício da defesa, argumenta Cristiano Zanin Martins.

Reportagem de VEJA, em parceria com o site The Intercept Brasil, que recebeu as mensagens de forma anônima, mostrou que o atual ministro pediu à acusação que incluísse provas nos processos que chegariam depois às suas mãos, mandou acelerar ou retardar operações e fez pressão para que determinadas delações não andassem.

Os diálogos foram enviados ao ministro Alexandre de Moraes, que é relator de um inquérito que apura a divulgação de notícias falsas contra ministro da corte. “Tratando-se de fatos relevantes à defesa do Paciente frente a desvios e ilegalidades — no sentido mais amplo da expressão — praticadas pelo Estado-Acusador contra o jurisdicionado, não se pode cogitar de qualquer obstáculo jurídico idôneo, especialmente se o Estado dispõe de acesso a tais dados”, diz o pedido.

Está pendente de julgamento no STF um habeas corpus do ex-presidente Lula em que ele pede o reconhecimento da suspeição de Moro no ação penal que culminou em sua condenação à prisão. O ministro Gilmar Mendes já declarou que a corte pode considerar usar as provas obtidas a partir da invasão dos celulares de autoridades no julgamento do petista. “A prova, mesmo ilícita, em alguns casos serve para isentar determinada sanção ou inocentar alguém”, afirmou o ministro.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês