Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Juiz manda soltar cunhado de Odebrecht com base em decisão de Gilmar

Maurício Ferro estava preso há duas semanas. Ao tirar da Lava Jato um processo contra ex-ministro Guido Mantega, ministro suspendeu medidas cautelares

O juiz federal Luiz Antonio Bonat, responsável pelos processos da Operação Lava Jato em Curitiba, determinou nesta quinta-feira, 5, a soltura do ex-executivo da Odebrecht e da Braskem Maurício Ferro e do advogado Nilton Serson, ambos presos na 63ª fase da Lava Jato, batizada como Carbonara Chimica. Ferro é cunhado do empresário Marcelo Odebrecht e um dos únicos executivos do grupo que não fecharam delação premiada com o Ministério Público Federal (MPF).

O despacho de Bonat foi baseado na decisão do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes que, na quarta-feira 4, ao analisar um recurso do ex-ministro Guido Mantega, determinou à 13ª Vara Federal Criminal de Curitiba, onde estão os processos da Lava Jato, que remeta uma ação penal contra Mantega à Justiça Federal do Distrito Federal.

No mesmo despacho, Gilmar mandou suspender todas as medidas cautelares da fase da Lava Jato que mirou Ferro, Serson e Mantega, incluindo as prisões preventivas e o uso de tornozeleira eletrônica pelo ex-ministro, até que a Justiça Federal da capital decida sobre elas.

“Diante da decisão proferida pelo Eminente Ministro Gilmar Mendes, é também consequência da mesma a suspensão da prisão preventiva decretada em face de Maurício Ferro, bem como das medidas cautelares impostas a Guido Mantega e Nilton Serson, inclusive a fiança”, decidiu Bonat. 

Deflagrada em 21 de agosto, a Operação Carbonara Chimica mirou a suspeita de pagamentos de propina aos ex-ministros Antonio Palocci e Guido Mantega pela Odebrecht. Os repasses, segundo a força-tarefa, teriam como objetivo a aprovação das Medidas Provisórias 470 e 472, que favoreceriam o grupo, dono da Braskem. As MPs instituíram um novo refinanciamento de dívidas fiscais e permitiram a utilização de prejuízos fiscais das empresas como forma de pagamento.

Foram bloqueados 555 milhões de reais de ativos financeiros dos investigados. O nome da operação remete ao fato de que os investigados eram identificados como “Italiano” e “Pós-Itália”, referência a Palocci e Mantega.

A própria Braskem, que fechou acordo de leniência, disponibilizou provas que indicam que Maurício Ferro, ex-executivo da empresa, comandou a celebração de pelo menos 18 contratos advocatícios fraudulentos com Nilton Serson entre 2005 e 2013. Segundo o MPF, um dos contratos tratava de discussões sobre crédito de IPI.

Os investigadores apuraram que não houve prestação de serviços e os contratos serviram apenas para a realização de repasse dissimulado de valores, que totalizaram 78,1 milhões de reais.

O MPF também sustenta que Ferro e Serson usaram contas no exterior para receber outros valores, transferidos a partir de contas controladas pelo Setor de Operações Estruturadas da Odebrecht. Além disso, com o aprofundamento das investigações, foram identificados indícios de que Ferro teria atuado para impedir o acesso do MPF às bases de dados do sistema “My Web Day”, usado pelo setor de propinas da empreiteira.