Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Grupo de advogados Prerrogativas quer Sergio Moro preso

Defensores, que foram acusados pelo ex-juiz de trabalhar pela impunidade, provocaram: só deveria ir para a cadeia após trânsito em julgado

Por Laryssa Borges Atualizado em 14 jan 2022, 13h52 - Publicado em 14 jan 2022, 13h43

Integrante do Prerrogativas, grupo de advogados que tem marcado posição contra a Lava-Jato e que compõe as bancas de defesa de investigados no petrolão, o criminalista Antonio Carlos de Almeida Castro, o Kakay, atacou nesta sexta-feira 14 o ex-juiz Sergio Moro, que em entrevista a VEJA disse que grande parte das críticas contra as investigações vieram de defensores que “trabalham pela impunidade de corruptos”. Para Kakay, o ex-magistrado utilizou a operação em benefício próprio, tolheu o direito de defesa de investigados e deve responder judicialmente por abusos cometidos contra os réus. Ao final de todos os recursos judiciais que eventualmente apresente, continua o advogado, Sergio Moro deve ser preso.

A manifestação do advogado é uma provocação a uma das principais bandeiras de Moro, a execução da pena após a segunda instância, tese que permitiu que condenados como o ex-presidente Lula e próceres do partido, como José Dirceu e João Vaccari Neto, acabassem, ainda que temporariamente, atrás das grades na Lava-Jato.

“A visão que este ex-juiz tem da advocacia – ao dizer que defendemos a impunidade e a corrupção – é de alguém que instrumentalizou o Judiciário por um projeto pessoal. Defendemos as garantias constitucionais, como a presunção de inocência, para todos, inclusive para ele e o bando que ele coordena. Queremos que ele responda pelos crimes que cometeu usufruindo de todos os direitos que ele negava enquanto juiz. Inclusive o da prisão só após o trânsito em julgado”, disse Kakay a VEJA.

Ao longo da Lava-Jato, o Prerrogativas promoveu diversos debates ao vivo com ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) e com o procurador-geral da República Augusto Aras, dois focos das críticas que Moro, hoje pré-candidato à Presidência da República pelo Podemos, fez em entrevista a VEJA. Recentemente os mesmos advogados promoveram um jantar com o ex-presidente Lula e o ex-tucano Geraldo Alckmin, que ensaiam a composição de um chapa para a disputa ao Palácio do Planalto.

“Enfrentamos desde o início a prepotência e o abuso representados pelo Moro, que corrompeu o sistema de justiça. Ser atacado por ele indica que estamos do lado certo”, completou o advogado. Na mais reveladora entrevista que concedeu desde que se lançou postulante ao Palácio do Planalto, Sergio Moro afirmou que “grande parte as críticas [à Lava-Jato] vêm de advogados que têm interesse na anulação das condenações de seus clientes. Houve um gigantesco esquema de corrupção, que perdurou por dez anos, e há um grupo de advogados, como esse Prerrogativas, trabalhando pela impunidade daqueles corruptos e vem se arvorar de alguma espécie de ética, alguma espécie de superioridade moral em relação ao Ministério Público e em relação aos juízes que participaram desses casos? No fundo a vergonha está neles”.

Continua após a publicidade

Publicidade