George Bush é surpreendido com visita inesperada de Bolsonaro

Ex-presidente americano não esteve envolvido nos arranjos da viagem do brasileiro nem o convidou para a reunião, diz assessoria

Por Lúcia Guimarães, de Dallas - Atualizado em 16 maio 2019, 15h59 - Publicado em 15 maio 2019, 16h49

O ex-presidente George W. Bush foi pego de surpresa pelo anúncio da visita de Jair Bolsonaro, marcada na agenda oficial de sua viagem a Dallas para as 15h (17h, em Brasília) desta quarta-feira. Segundo o assessor de imprensa de Bush, Freddy Ford, Bush não fora consultado previamente nem  convidara o brasileiro para um encontro na cidade texana.

“Ao contrário de algumas reportagens, o presidente Bush não esteve envolvido nos arranjos da viagem e não estendeu o convite para (Bolsonaro) vir a Dallas”, afirmou Ford, em resposta a questionamentos de VEJA.

“Mas claro que ele concordou em se encontrar com o presidente Bolsonaro em seu escritório quando soube de sua visita à cidade – uma cortesia que ele regularmente estende aos dignitários estrangeiros quando estão nesta região”, completou.

Viagens internacionais do presidente da República brasileiro costumam ser preparadas com extremo cuidado pelo Itamaraty e o Palácio do Planalto, não apenas no aspecto da segurança como também da negociação das visitas de interesse do líder. Em geral, há consultas prévias e discussão de possíveis datas, horários e locais, assim como dos temas a serem tocados na conversa. Posteriormente, há confirmação dessa agenda.

Publicidade

A resposta de Ford indica que esses passos não foram tomados pelo governo brasileiro com o tempo devido e que Bush acabou aceitando um pedido enviado às pressas para não constranger o visitante. Pouco antes da chegada de Bolsonaro, as assessorias de imprensa do Palácio do Planalto e do Itamaraty não tinham a confirmação do encontro, que surgiu depois de ter ingressado no hotel de Dallas onde estará hospedado até a quinta-feira, 16.

A imprensa não terá acesso à reunião de Bolsonaro com Bush, que tem se posicionado contra o atual presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, a quem o líder brasileiro visitou na Casa Branca em 19 de março passado e devota clara admiração. Não há expectativas de divulgação de fotos e relatos sobre o encontro. O assessor de George W. Bush não respondeu se o ex-presidente se disporia a uma conversa, depois da reunião.

VEJA também perguntou ao assessor se Bush poderia comentar sobre a guinada na diplomacia brasileira, desde a posse de Bolsonaro, conhecido internacionalmente como o “Trump brasileiro”, e sobre as preocupações da comunidade LGBTQ de Dallas, que organiza protesto contra a presença o presidente sul-americano.

O republicano George W. Bush manteve, em seu período como presidente dos Estados Unidos, uma amizade antes considerada improvável com o então líder brasileiro Luiz Inácio Lula da Silva. Apesar de sua retórica contrastante com a do petista e dos interesses nem sempre convergentes dos dois países, ambos os líderes se reuniram várias vezes – uma delas, em um churrasco na Granja do Torto, em Brasília em 2005, logo depois de o Brasil, a Argentina e a Venezuela terem enterrado as negociações da Área de Livre Comércio das Américas (Alca), em Mar del Plata.

Publicidade