Clique e assine a partir de 8,90/mês

Fachin prorroga inquérito contra Eunício, Maia, Jucá, Renan e Vieira Lima

Parlamentares são investigados sob suspeita de terem recebido 7 milhões de reais da Odebrecht; Raquel Dodge apontou pendências na investigação

Por Da Redação - Atualizado em 17 Maio 2018, 10h28 - Publicado em 16 Maio 2018, 12h53

O ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF), autorizou a prorrogação por mais sessenta dias de um inquérito contra os presidentes do Senado, Eunício Oliveira (MDB-CE), e da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ). Também são investigados o líder do governo no Senado, Romero Jucá (MDB-RR), o senador Renan Calheiros (MDB-AL) e o deputado Lúcio Vieira Lima (MDB-BA).

Os parlamentares são investigados sob a suspeita de terem recebido propina de 7 milhões de reais da construtora Odebrecht em troca de atuar na aprovação de uma medida provisória que concedeu incentivos tributários a alguns setores. A apuração teve como base delações premiadas de executivos do grupo.

 

 

A prorrogação havia sido pedida pela procuradora-geral da República, Raquel Dodge, no último dia 7, reforçando solicitação feita pelos delegados da Polícia Federal (PF) responsáveis pelo caso. Ela alegou que, conforme a PF, ainda estão pendentes a tomada do depoimento de uma testemunha e o amplo acesso aos sistemas de comunicação e contabilidade paralela da Odebrecht.

Dodge destacou que depois de sessenta dias, nenhuma das diligências previstas foi cumprida pelos delegados, entre elas a oitiva como testemunha de Carlos Parente, executivo da Braskem, uma subsidiária da Odebrecht. Nos últimos dois meses, também não foram feitas perícias nos sistemas de comunicação e contabilidade paralela da Odebrecht, chamados Drousys e Mywebdayb, conforme previstas, destacou a PGR.

(com Agência Brasil e Reuters)

Continua após a publicidade
Publicidade