Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Excluída de chapa do PT, senadora pode disputar Presidência pelo PSB

Ideia é do governador de São Paulo, Márcio França; em um partido dividido, candidatura própria passou a ser possibilidade de entendimento

Por Da Redação 20 jul 2018, 10h19

Uma reviravolta gestada nos últimos dias pode trazer de volta o projeto de uma candidatura própria do PSB à Presidência da República, descartada há dois meses, quando Joaquim Barbosa, ex-presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), desistiu da corrida. Cobiçado pelo PT e por Ciro Gomes (PDT), o partido não consegue superar as divisões internas entre um ou outro candidato e passou a cogitar alternativas caseiras para disputar o Planalto.

O gestor da ideia é o governador de São Paulo, Márcio França (PSB), que listou alguns nomes para a disputa. Entre eles, o da senadora Lídice da Mata (PSB-BA), que estava resignada a disputar uma vaga de deputada federal depois que foi preterida na chapa do governador da Bahia, Rui Costa (PT), à reeleição. França e Lídice discutiram o assunto em uma reunião na terça-feira, 17, em São Paulo.

“Pode ser uma boa opção uma candidatura própria, porque, nesse caso, você marca seu espaço com determinada candidatura que tenha mais consistência, que represente mais a gente”, afirmou França. O governador elogiou também outros nomes, como o do ex-deputado Beto Albuquerque (RS), vice de Marina Silva em 2014, e o do atual parlamentar Júlio Delgado (MG).

Segundo ele, a única “unanimidade” do partido para a disputa seria a advogada Renata Campos, viúva do ex-governador Eduardo Campos, que foi presidente do PSB e candidato da legenda ao Planalto na última eleição. É justamente a falta do pernambucano, que tinha ascendência sobre os estados e conseguia unir a legenda, que é apontada como a razão das atuais divisões internas. No entanto, França admitiu que ela não deu nenhum sinal de ter interesse em disputar eleições.

Apesar da nova ideia, o governador paulista não tem mostrado grande influência sobre as decisões do partido nos últimos meses. Ele era um defensor de um apoio do PSB a seu antecessor, Geraldo Alckmin (PSDB), mas nunca conseguiu emplacar a ideia. Agora, diante do impasse total entre a ala que quer apoiar Ciro e os diretórios, sobretudo o de Pernambuco, que querem caminhar com o PT, podem fazer desta uma alternativa.

(Com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês