Clique e assine com até 92% de desconto

Em busca por vice, Alckmin conversa com Roberto Jefferson, do PTB

Tucano sinalizou que seu companheiro de chapa 'não obrigatoriamente' será do Centrão. Além de PP, DEM, SD, PRB e PR, coligação dele tem PTB, PPS, PSD e PV

Por Estadão Conteúdo Atualizado em 27 jul 2018, 19h13 - Publicado em 27 jul 2018, 17h07

Após se encontrar com os dirigentes dos partidos que integram o Centrão, o pré-candidato do PSDB à Presidência da República, Geraldo Alckmin, reuniu-se com o presidente do PTB, o ex-deputado federal Roberto Jefferson. A conversa dos dois aconteceu na noite desta quinta-feira 26, em Brasília, mesmo dia em que o tucano recebeu oficialmente o apoio de PP, PRB, PR, DEM e Solidariedade à sua campanha.

O diálogo se deu em meio à procura por um vice para a chapa do tucano, depois de o empresário Josué Gomes, filho do ex-vice-presidente José Alencar, indicado pelo PR, negar o convite. Alckmin chegou a sinalizar ontem que “não obrigatoriamente” seu vice precisará ser um nome indicado pelo Centrão. Essa possibilidade abre espaço para a indicação de outros partidos que estão na aliança tucana, como o próprio PTB, além de PSD e PPS. A adesão do PV também é dada como certa entre auxiliares do presidenciável.

“Não obrigatoriamente (vai ser um vice dos cinco partidos do Centrão). O importante é o nome, a parceria, para um trabalho conjunto. Tem ótimos nomes, não temos pressa”, disse o ex-governador de São Paulo.

O tucano deve ir à Brasília neste sábado para participar da convenção nacional do PTB, marcada para as 10 horas. Com 25 deputados federais em sua bancada, o partido acrescenta 32 segundos ao tempo do presidenciável tucano no horário eleitoral de rádio e TV. Aprovada por unanimidade pela cúpula da legenda, a indicação do apoio petebista ao tucanos será homologada na convenção.

  • Condenado pelo Supremo Tribunal Federal (STF) no julgamento do mensalão do PT, Roberto Jefferson está entre os investigados na Operação Registro Espúrio, que descobriu um esquema de fraudes na liberação de registros sindicais no Ministério do Trabalho do governo Temer, que era ocupado pelo PTB. A filha de Jefferson, a deputada Cristiane Brasil (PTB-RJ), e outros parlamentares do partido, como o líder na Câmara, Jovair Arantes (GO), também foram alvos da ação da Polícia Federal. Eles negam irregularidades.

    Na quarta-feira 25, o presidente em exercício do STF, ministro Dias Toffoli, autorizou a participação de Cristiane na convenção da sigla, mas determinou que ela poderá permanecer no encontro apenas no período entre o início e o encerramento do evento, devendo apresentar declaração de que não manteve conversas particulares com os investigados.

    Continua após a publicidade
    Publicidade