Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Eleições municipais de 2020: a vez do centro

Afetadas pela pandemia e com as campanhas de rua reduzidas, as disputas abafaram os extremos

Por Marcela Mattos Atualizado em 24 dez 2020, 08h51 - Publicado em 24 dez 2020, 06h00

Se as eleições de 2018 privilegiaram o avesso da política tradicional brasileira, com a ascensão de um presidente sem um grande partido e que apostava no radicalismo e na guerra ao politicamente correto, o eleitor indicou, dois anos depois, que decidiu olhar para outra direção. Afetadas pela pandemia e com as campanhas de rua reduzidas, as disputas municipais abafaram os extremos e apontaram para o centro. Como resultado, partidos como o MDB, PP, PSDB, DEM e PSD consagraram-se os principais vitoriosos e vão comandar o maior número de municípios no país — juntas, as cinco legendas estarão à frente de mais da metade das cidades, entre elas as principais e mais populosas capitais, como Rio de Janeiro, onde triunfou o democrata Eduardo Paes, e São Paulo, que reelegeu o tucano Bruno Covas. As estatísticas não deixam dúvidas de que a guinada, de fato, ocorreu. Mas o efeito e a duração dessa mudança de postura são incertos. No pleito municipal, sabe-se, o eleitor privilegia o gestor que lhe atende em questões práticas do cotidiano, como oferta de creches, melhoria dos serviços públicos e obras necessárias à região. Temas nacionais, como economia, desemprego e corrupção, portanto, não são levados em consideração nesse momento.

Ainda assim, o recado das urnas serve para mostrar que as bases da campanha de Jair Bolsonaro em 2018, movida pelo discurso da antipolítica e com exaltação ao novo, não se perpetuaram no pleito seguinte. Os principais nomes apoiados pelo presidente ficaram no meio do caminho. Pensando em pavimentar a sua reeleição em 2022, Bolsonaro apostava em acomodar seus aliados em cidades estratégicas, mas o plano não deu certo. Percebendo que de 2018 para cá a bússola do eleitor já estava indicando uma outra direção, o presidente moderou o discurso, sinalizou para setores da sociedade que antes repudiava e tem procurado aproximar seu governo cada vez mais das forças políticas de centro, com destaque para os partidos do chamado Centrão, grupo que, até bem pouco tempo, era demonizado pelos bolsonaristas, mas que, hoje, é visto como a melhor alternativa para garantir a estabilidade, recolocar o país na rota do crescimento econômico e, claro, garantir a reeleição.

Publicado em VEJA de 30 de dezembro de 2020, edição nº 2719

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês