Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Eleição no RS é marcada por disputa entre fiéis escudeiros de Bolsonaro

Inclinado à direita nos últimos anos, o estado mostra racha no Centrão com briga entre Onyx Lorenzoni (PL) e Luis Carlos Heinze (PP) pelo governo

Por Diogo Magri
Atualizado em 18 abr 2022, 12h12 - Publicado em 17 abr 2022, 08h00

Uma verdade sobre as eleições estaduais no Rio Grande do Sul que os próprios gaúchos se gabam ao contar é que eles gostam de rotatividade: desde a volta da escolha direta, em 1982, nunca reconduziram um governador ao cargo. A outra certeza é que nos últimos anos o eleitorado tem se inclinado à direita — ou ao menos rejeitado a esquerda. Embora vitoriosos nacionalmente, Lula e Dilma Rousseff perderam no estado em 2006, 2010 e 2014, sempre para o PSDB. Em 2018, Jair Bolsonaro, se dependesse da vontade local, teria sido eleito no primeiro turno — teve 52,6% contra o também petista Fernando Haddad. No segundo turno, levou dois de cada três votos, o que alçou o bolsonarismo a uma das principais forças por ali. Nas eleições deste ano, o minuano político dos pampas sopra novamente em direção à direita, mas o cenário ficou embaçado pelo racha entre duas candidaturas: a do ex-ministro Onyx Lorenzoni (PL) e a do senador Luis Carlos Heinze (PP), representantes dos dois principais partidos do Centrão, o bloco político que sustenta Bolsonaro.

Mais do que pertencerem à mesma vertente política, Onyx e Heinze são a imagem e semelhança de Bolsonaro. Compartilham a mesma cartilha ideológica, marcada pela pregação anticomunista, defesa de valores conservadores, críticas à imprensa e desconfiança do sistema eleitoral, entre outras coisas. Durante a pandemia, comungaram também da postura negacionista diante da Covid-19. Heinze se tornou uma das estrelas da CPI do Senado ao defender remédios ineficazes contra a doença e ao atacar as tentativas de investigação do governo federal. Onyx, por sua vez, repetiu falácias relacionadas à crise sanitária — por isso teve publicações excluídas das redes, por conter informações falsas — e foi à Justiça, como ministro do Trabalho, para barrar a exigência do passaporte da vacina nas empresas. A VEJA ele defendeu a atuação de Bolsonaro, criticou prefeitos e governadores por adotarem o isolamento social e disse não ver problema em questionar vacinas: “Uma das coisas mais básicas da ciência é sempre duvidar. Qual o problema em ter dúvidas? Nenhum”.

PASSO FIRME - Luis Carlos Heinze: apoio de partidos importantes como PP e PTB -
PASSO FIRME - Luis Carlos Heinze: apoio de partidos importantes como PP e PTB – (@heinzeoficial/Instagram)

Na adesão ao bolsonarismo raiz, Onyx está bem na frente de Heinze. Ele foi um dos primeiros políticos a apostar na viabilidade eleitoral do deputado de baixo clero, algo que reforça frequentemente. Como recompensa, está no primeiro time do governo desde a transição. Ocupou pastas importantes como Casa Civil, Cidadania, Secretaria-Geral da Presidência e Trabalho e Previdência. Não brilhou em nenhuma delas (e sempre defendendo teses contrárias ao bom senso), mas ganhou projeção suficiente que o ajuda a liderar com folga no momento a corrida estadual gaúcha. Tem 20% das intenções de voto, segundo as pesquisas mais recentes.

Concorrente direto pelos votos conservadores no Rio Grande do Sul, Heinze ainda não passa dos 5% nesses levantamentos, mas é relativamente novo na disputa (lançou a candidatura no mês passado) e, por isso, aposta em um crescimento rápido. Duas legendas fortes no estado o apoiam: o PP foi quem mais levou prefeituras em 2020, e o PTB, o quarto. Onyx, porém, venceu a primeira batalha em busca de aliados de peso ao trazer para a sua chapa o vice-presidente Hamilton Mourão, que tentará a única vaga do estado ao Senado pelo Republicanos, outro partido do Centrão.

Continua após a publicidade
MARCHA UNIDA - Mourão: candidato ao Senado na chapa encabeçada pelo PL -
MARCHA UNIDA - Mourão: candidato ao Senado na chapa encabeçada pelo PL – (Romério Cunha/VPR/.)

Evidentemente, membros de ambas as campanhas admitem que o melhor seria a união, mas o acerto é considerado distante. “Falei com o Bolsonaro diretamente antes de confirmar minha candidatura. O presidente sabe que aqui ele terá dois palanques”, diz Heinze. O palco dividido foi posto à prova na sexta 8, quando Bolsonaro visitou Pelotas, Bagé e Passo Fundo. Apesar do clima de comício, o presidente não fez menção à eleição estadual. Exaltou Onyx como um ex-ministro “polivalente” que serviu muito bem ao governo, e saudou Heinze só como um integrante de sua comitiva.

A boa notícia para os bolsonaristas é que o campo adversário também está dividido. A esquerda tem os pré-­candidatos do PT (Edegar Pretto) e do PSB (Beto Albuquerque). O PDT quer lançar o presidente do Grêmio, Romildo Bolzan. Mais ao centro, o PSDB tem o governador Ranolfo Vieira Júnior, que assumiu após a renúncia de Eduardo Leite. “Essa é uma das únicas eleições dos últimos anos em que não temos um candidato óbvio e favorito”, avalia Rodrigo Stumpf González, professor de ciência política da UFRGS. Para ele, a polarização nacional deve favorecer uma disputa entre direita e esquerda no segundo turno. Dentro desse panorama, a tendência é de acirramento nos próximos meses da briga entre Onyx e Heinze para saber qual deles empunhará na reta decisiva a bandeira do bolsonarismo nos pampas.

Publicado em VEJA de 20 de abril de 2022, edição nº 2785

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.