Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Cunha mantinha mapa de cargos do PMDB nos governos Lula e Dilma

STF compartilhou provas reunidas na Operação Catilinárias com a Lava Jato. Há menções a 'Gov Lula', 'Gov Dilma' e 'Cargos da bancada da Câmara'

Por João Pedroso de Campos - Atualizado em 26 jul 2017, 20h27 - Publicado em 26 jul 2017, 19h01

O Supremo Tribunal Federal (STF) compartilhou com a força-tarefa da Operação Lava Jato em Curitiba documentos apreendidos pela Polícia Federal na Operação Catilinárias, que teve como principal alvo o ex-deputado federal e ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha (PMDB-RJ). Entre a papelada reunida em endereços ligados a Cunha e apresentada pelo Ministério Público Federal ao juiz federal Sergio Moro, estão duas folhas com anotações sobre o loteamento de cargos nos governos dos ex-presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff e um mapa com indicações da bancada do PMDB da Câmara.

Os manuscritos sobre os governos petistas (veja na íntegra aqui) comparam a ocupação de posições em ministérios e autarquias federais nas gestões Lula e Dilma. Sob a administração do ex-presidente (“Gov Lula”), a tabela “cargos” tem menções à Diretoria Internacional da Petrobras e “1/2” da Diretoria de Abastecimento da estatal.

Os ex-diretores da Área Internacional Nestor Cerveró e Jorge Zelada, ambos delatores da Lava Jato, revelaram aos investigadores que foram sustentados politicamente pelo PMDB em troca de propina. Já o ex-diretor de Abastecimento Paulo Roberto Costa, originalmente apadrinhado pelo PP, disse em sua delação que, a partir de 2006, quando ficou muito doente e esteve perto de perder o cargo, também recebeu apoio político do partido. As propinas que Costa arrecadava, segundo o delator, ficaram divididas entre pepistas e peemedebistas.

As anotações apreendidas pela Operação Catilinárias também indicam a ocupação de cargos durante o governo Lula em órgãos dos ministérios das Comunicações (Correios e Anatel), Minas e Energia (Furnas), Agricultura (Companhia Nacional de Abastecimento (Conab)), Saúde (Fundação Nacional de Saúde (Funasa), Departamento de Atenção Básica e “Sec TI”) e Integração Nacional (Departamento Nacional de Combate às Secas (Dnocs), Companhia de Desenvolvimento do Vale do São Francisco (Codevasf), Superintendência do Desenvolvimento do Centro-Oeste (Sudeco) e Superintendência do Desenvolvimento do Nordeste (Sudene)).

Publicidade

Ainda na gestão do ex-presidente, há menções a “vice pres gov” e “vice pres TI” do Banco do Brasil, em possíveis referências à vice-presidência de Governo e à vice-presidência de Tecnologia do banco estatal.

Já na tabela referente ao governo de Dilma Rousseff (Gov Dilma), a maioria das referências a órgãos estatais é precedida por “s/”, o que pode significar que, no governo da petista, o grupo político de Cunha ficou sem as nomeações que mantinha na gestão Lula: “s/ Embratur”, “s/ Conab”, “s/ Dataprev”, “s/Correios/Anatel”, “s/nacionais Correios”, “s/Petrobras”, “s/Furnas”, “s/ Infraero”, “s/Funasa”, “s/ Sec. Saúde Básica”, “s/ Sec TI”.

Na coluna que se refere a Dilma, as duas vice-presidências do Banco do Brasil listadas no governo Lula são vinculadas à palavra “nada”.

As únicas rubricas não precedidas por “s/” nas anotações referentes à ex-presidente são o Dnocs e o Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM).

Publicidade

Cargos da bancada da Câmara

Deflagrada em dezembro de 2015, enquanto Dilma Rousseff ainda ocupava o Palácio do Planalto, a Operação Catilinárias apreendeu com Eduardo Cunha documentos que mostram um mapa dos cargos sob influência da bancada do PMDB no governo e as “novas demandas” do grupo político.

Intituladas “Cargos da bancada da Câmara” (veja na íntegra aqui), as anotações foram feitas em um computador e fazem referência a tradicionais feudos peemedebistas na Caixa Econômica Federal. De acordo com o apontamento, o vice-presidente de Fundos e Loterias do banco estatal deveria ser preservado, o cargo de vice-presidente de Pessoa Jurídica deveria ser mantido, mas ter o ocupante trocado, e indicação à vice-presidência de Logística da Caixa deveria ser permutada pela de Gestão de Ativos de Terceiros (Viter).

Como o documento não está datado, não é possível saber exatamente quem eram os ocupantes destes cargos no momento em que ele foi escrito. Até cinco dias antes da deflagração da Catilinárias, no entanto, o vice-presidente de Fundos e Loterias da Caixa era Fábio Cleto. Indicado por Eduardo Cunha ao cargo, ele fazia parte do esquema de corrupção que achacava empresários no Fundo de Investimentos do FGTS (FI-FGTS). Cleto firmou um acordo de delação premiada em que revelou que condicionava a aprovação de investimentos do FI-FGTS em empresas ao pagamento de propinas a Cunha e o lobista Lúcio Bolonha Funaro.

Entre 2007 e 2011, no governo Lula, foi o ministro Wellington Moreira Franco, secretário-geral da Presidência e um dos aliados mais próximos do presidente Michel Temer, quem ocupou a vice-presidência de Fundos e Loterias da Caixa Econômica Federal. Já o ex-ministro Geddel Vieira Lima, preso no início do mês e acusado de corrupção no banco estatal, ocupou entre 2011 e 2013 a vice-presidência de Pessoa Jurídica, outro cargo citado no documento apreendido.

Publicidade

Além de cargos na Caixa, também estão listados postos no Ministério da Agricultura, outra área de influência de Eduardo Cunha e o chamado “PMDB da Câmara”. As anotações indicam que a indicação à Secretaria de Defesa Agropecuária da pasta deve ser mantida “trocando ou não o nome” e as nomeações às delegacias da Agricultura também devem ser mantidas “nos estados que não tiver Senador PMDB”.

Em sua delação premiada, o empresário Joesley Batista, dono do Grupo J&F, declarou que o peemedebista acabou emplacando a nomeação de Rodrigo Figueiredo como Secretário de Defesa Agropecuária. Joesley contou que temia o aparelhamento do Ministério da Agricultura por Cunha e Funaro, o que abriria uma nova frente de cobrança de propinas. “Eu estava lá morrendo de medo deles aparelharem o Ministério da Agricultura e eu ficar na mão deles de novo. Já estava na mão deles na Caixa, já estava no FI-FGTS”, disse o empresário.

Segundo o delator, Eduardo Cunha e Lúcio Funaro receberam da JBS 7 milhões de reais em dinheiro sujo por influência em decisões da pasta.

Outros órgãos federais relacionados à bancada do PMDB na Câmara são Infraero (“diretoria comercial manter”), DNPM (“manter cargo, mas trocar nome”), Dnocs (“manter cargo”), e Funasa (“ficar com a bancada da Câmara”).

Publicidade

Como “novas demandas” do grupo político, são listados Infraero, Companhia das Docas estaduais, Embratur, Sudam, Sudeco, “1 vice banco do Brasil”, “1 diretoria BNDES” e “recuperar uma diretoria Codevasf”.

Publicidade