Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Coronel Blanco nega à CPI ter havido pedido de propina em jantar

Ex-assessor do Ministério da Saúde contou ter sugerido a Dominguetti o encontro com Roberto Dias em um restaurante de Brasília

Por Da Redação
Atualizado em 4 ago 2021, 17h55 - Publicado em 4 ago 2021, 09h44

O tenente-coronel da reserva Marcelo Blanco da Costa foi ouvido nesta quarta-feira, 4, pela CPI da Pandemia. Ex-assessor do Departamento de Logística do Ministério da Saúde, exonerado em janeiro, o militar participou de jantar em restaurante em Brasília onde teria sido feita a proposta de pagamento de propina na comercialização de doses da vacina AstraZeneca.

Blanco foi citado em depoimentos anteriores à CPI, como o do policial militar Luiz Paulo Dominguetti. Suposto representante da Davati Medical Supply, o PM afirmou que recebeu pedido de propina de US$ 1 por dose do ex-diretor de logística do Ministério da Saúde Dias em troca de assinar contrato de venda de vacinas AstraZeneca com o governo Bolsonaro.

O pedido de propina, de acordo com o vendedor, foi feito no dia 25 de fevereiro deste ano, em jantar no restaurante Vasto, em um shopping em Brasília, onde esteve presente o coronel Blanco, que o teria apresentado a Dias.

Blanco deixou o governo em janeiro e depois passou a atuar como interlocutor de Dominguetti junto ao ministério. Outro representante da Davati, Cristiano Carvalho, afirmou em depoimento à CPI que o PM relatou ter ouvido o pedido de um “comissionamento” para o “grupo” de Blanco, que antes era uma espécie de braço direito de Dias na Diretoria de Logística.

Continua após a publicidade

Cristiano, inclusive, apresentou à comissão áudios de WhatsApp que evidenciam a atuação do militar em favor de Dominguetti na negociação com o ministério. A oitiva desta quarta tende a encerrar o capítulo da Davati na CPI.

O depoimento

Protegido por um habeas corpus, que deu a ele o direito de silenciar em perguntas que podem incriminá-lo, o coronel Blanco afirmou à CPI que apenas negociou vacinas com Dominguetti para o “setor privado” e que o contato se deu em fevereiro, um mês depois de sua saída do Ministério da Saúde. O relator Renan Calheiros rebateu que a negociação de imunizantes para particulares “era uma atividade absolutamente irregular”.

Blanco também deu detalhes do jantar no restaurante Vasto, em Brasília, com Dominguetti e Roberto Dias. Segundo o coronel, ele soube pelo próprio Dias que o então diretor de Logística estaria no local naquela noite. O militar da reserva sugeriu então a Dominguetti que fosse até lá para solicitar uma agenda com o Ministério da Saúde sobre a oferta de vacinas. Ao contrário do relato de Dominguetti, porém, Blanco nega em sua versão que tenha havido pedido de propina por parte de Dias no encontro. O depoente afirmou que “não sabe” por que o policial “inventou essa história”.

Continua após a publicidade

O coronel acrescentou ainda que tinha uma “relação amistosa” com Dias na pasta, mas frisou que não possuía proximidade com o então ministro, Eduardo Pazuello. “Tinha dias que eu sequer via o general Pazuello. Eu não participava de reuniões de cunho estratégico”, disse. “Meu cargo era consultivo.”

Blanco também negou qualquer “acordo de remuneração” para aproximar a Davati do Ministério da Saúde e disse que apenas orientou os representantes da empresa sobre os ritos processuais da pasta.

(Com Agência Senado)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.