Clique e assine a partir de 9,90/mês

Collor diz que não conhece doleiro e estranha inquérito

"Não mantive qualquer tipo de relação pessoal, política ou empresarial com o tal do doleiro contraventor", afirmou senador e ex-presidente

Por Gabriel Castro, de Brasília - 7 mar 2015, 15h06

O senador e ex-presidente Fernando Collor (PTB-AL) afirmou neste sábado que não conhece o doleiro Alberto Youssef e disse estranhar a inclusão de seu nome entre os alvos dos inquéritos da Operação Lava Jato abertos no Supremo Tribunal Federal. Um dos operadores do petrolão, Youssef disse ter feito depósitos e entregas de dinheiro em favor do senador, a pedido do ex-ministro Pedro Paulo Leoni.

“Não mantive qualquer tipo de relação pessoal, política ou empresarial com o tal do doleiro contraventor”, afirmou Collor, por meio de sua página no Facebook. “Sobre a inclusão de meu nome na lista da PGR, estranho e reajo com veemência. Estou limpo, não temo nenhuma investigação e vou provar, mais uma vez, minha inocência.”

O ex-presidente comparou as denúncias do petrolão ao escândalo que motivou sua cassação, em 1992: “Da mesma forma que ficou provada a minha inocência, em dois julgamentos realizados pela mais alta Corte de Justiça do País, o STF, em função do turbilhão de denúncias falsas que levaram à cassação política de meu mandato presidencial, estou novamente pronto para enfrentar e provar que nada tenho a ver com esse esquema criminoso”, afirmou.

O senador é investigado por suspeita de lavagem de dinheiro e evasão de divisas.

Leia também:

Verdades inconvenientes

​​

Saiba quem são os políticos investigados

Continua após a publicidade

Reinaldo Azevedo: Cadê o Poder Executivo?

Radar: Cunha já admite hipótese de impeachment

Anastasia é único nome da oposição Petrolão

Cúpula do PT no Senado é atingida

Leandro Narloch: Dez revelações espantosas

STF vai investigar 39 parlamentares por quadrilha

Renan é investigado em três inquéritos na Lava Jato

PGR cobra Collor por ‘indícios veementes’ de lavagem

Vaccari, o Moch, será investigado como operador do PT

Continua após a publicidade
Publicidade