Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Clã Sarney tenta retomar poder e influência no Maranhão e em Brasília

Após derrotas nas urnas nos últimos anos e a aposentadoria eleitoral do patriarca, a família prepara a volta ao palco político nacional

Por João Pedroso de Campos Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 4 jun 2024, 11h56 - Publicado em 21 Maio 2022, 08h00

Nas últimas cinco décadas, o grupo do ex-presidente, ex-governador e ex-senador José Sarney (MDB), de 92 anos, perdeu apenas três eleições no Maranhão. A primeira derrota sinalizou novos tempos, mas foi fugaz: eleito em 2006, Jackson Lago (PDT) teve a chapa cassada em 2009 e deu lugar a Roseana Sarney (MDB), filha do patriarca, que ficara em segundo na disputa ao governo. A decadência do clã veio com as derrotas para Flávio Dino (PSB), em 2014 e 2018. “Derrotamos para sempre o coronelismo e o regime oligárquico maranhense”, bradou Dino ao ser eleito pela primeira vez, pelo PCdoB. Em 2022, no entanto, o ex-comunista e os Sarney deverão subir no mesmo palanque. O MDB de Roseana e o PV, presidido localmente pelo deputado estadual Adriano Sarney, neto do ex-presidente, caminham para apoiar o governador Carlos Brandão (PSB), ex-vice de Dino, que vai disputar o Senado. Mas além de retomar a influência local, o clã também prepara a volta ao palco nacional.

Protagonista do último projeto presidencial dos Sarney, em 2002, quando chegou a liderar a disputa ao lado de Lula, mas abandonou a candidatura após uma operação da Polícia Federal contra ela e seu marido, Jorge Murad, Roseana encarna o “plano Brasília 2023”. Sem cargo desde que concluiu o quarto mandato de governadora, em 2014, e derrotada por Dino em 2018, ela preside o MDB local e liderava as pesquisas ao governo, mas decidiu disputar a Câmara. Sob a estratégia do partido de aumentar a bancada na Casa, as chances de sucesso são tão grandes que aliados esperam dela a maior votação no estado.

MUDANÇA - Dino: o ex-governador se aproximou de antigos rivais no estado -
MUDANÇA – Dino: o ex-governador se aproximou de antigos rivais no estado – (@FlavioDino/Twitter)

Um triunfo de Roseana levará o sobrenome famoso a Brasília por meio do voto depois de um hiato de quatro anos, o primeiro desde que o patriarca José chegou ao Senado, em 1971. Depois disso, ele se manteve em Brasília de forma ininterrupta até 2015, como senador e presidente da República, e teve a companhia de Roseana em dois momentos — como deputada, entre 1991 e 1994, e senadora, de 2003 a 2009. O último membro do clã com mandato na capital foi Sarney Filho, o Zequinha, deputado de 1983 a 2018, mas que não conseguiu voltar ao centro do poder porque ficou em terceiro na eleição ao Senado. Hoje, o único Sarney na cidade é Zequinha, que é secretário do Meio Ambiente do governador Ibaneis Rocha (MDB).

Enquanto ensaia a volta a Brasília levado pelo eleitor, o clã também prepara a volta ao poder no Maranhão. Segundo políticos do MDB próximos a Roseana, o anúncio do apoio a Carlos Brandão está próximo. “Estamos praticamente fechados”, diz o vice-­presidente da sigla no estado, deputado Roberto Costa. A aproximação já vem de algum tempo. Em outubro, Dino buscou o apoio de Sarney para ser eleito à cadeira da Academia Maranhense de Letras deixada por seu pai, Sálvio Dino, morto em 2020. Durante a pandemia, os canais de comunicação do Grupo Mirante, de Sarney, abriram espaço para o governador. Além disso, Dino deu apoio ao deputado Baleia Rossi, presidente nacional do MDB, ao comando da Câmara em 2021.

Continua após a publicidade
PODER - José Sarney: o ex-presidente foi procurado por Lula e Jair Bolsonaro -
PODER – José Sarney: o ex-presidente foi procurado por Lula e Jair Bolsonaro – (Marcos Oliveira/Ag. Senado)

Único membro da família com mandato hoje, Adriano Sarney, um dos dirigentes da federação PV-PT-­PCdoB no estado, se aproximou do governo após a posse de Brandão. “Vivemos um novo tempo, de não agressão, essas questões políticas já acabaram e as pessoas podem conviver nessa nova era”, diz Adriano, que em 2019 pediu que se retirasse o sobrenome famoso de sua alcunha política. Embora o apoio a Brandão esteja encaminhado, com o PSB com a vaga do Senado e o PT com o posto de vice, Adriano ressalta que a federação ainda não tem decisão formal sobre esses cargos. Além disso, o PT maranhense se vê dividido entre Brandão e alas que preferem o senador Weverton Rocha (PDT). A aproximação com os Sarney rachou de vez a heterogênea base aliada do ex-governador — ele foi reeleito em 2018 numa coligação com dezesseis partidos, do PCdoB ao DEM, mas a frente já vinha em crise desde 2020, quando teve três candidatos à prefeitura de São Luís. Dino não tem sido poupado por se aproximar de rivais. “A escolha pessoal de Flávio Dino, infelizmente, não teve nada a ver com a história do nosso grupo político”, disparou Weverton.

Repleta de combinações insólitas, a eleição marca a tentativa da família Sarney em retomar parte de suas glórias políticas. O clã dominou o Maranhão entre 1966 e 2006, embora isso não tivesse se refletido na melhoria das condições do estado, o penúltimo no ranking do Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), atrás apenas de Alagoas. Em Brasília, o sobrenome já viveu um período de glórias. Ex-aliado da ditadura convertido em vice de Tancredo Neves em 1985, José Sarney assumiu a Presidência diante da morte do titular. Conduziu a transição democrática em meio a muitas dificuldades, em especial na economia, e foi em seu governo que se promulgou a Constituição de 1988. “Sarney percebeu que o seu desafio histórico era a questão da democracia, e nesse aspecto foi bem-sucedido”, diz o cientista político Carlos Melo, do Insper. O patriarca segue tendo bom trânsito à direita e à esquerda, como mostra a concertação estadual e o fato de ter sido procurado por Lula e pelo presidente Jair Bolsonaro (PL) na corrida presidencial. Resta agora conseguir a volta ao centro do poder pelo voto.

Publicado em VEJA de 25 de maio de 2022, edição nº 2790

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.