Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês

‘Chupa que é de uva’, comemora aliada de Flávio Bolsonaro sobre rachadinha

Valdenice de Oliveira Meliga, a Val, ex-tesoureira do PSL, celebrou vitória de senador no STJ

Por Cássio Bruno Atualizado em 16 nov 2021, 16h37 - Publicado em 16 nov 2021, 16h30

Valdenice de Oliveira Meliga, ex-tesoureira-geral do PSL e uma das principais aliadas do senador Flávio Bolsonaro (Patriota-RJ), comemorou nas redes sociais a recente vitória do parlamentar no Superior Tribunal de Justiça (STJ) que anulou todas as decisões contra ele no caso da rachadinha. Em uma de suas publicações no Facebook, Val, como é conhecida, compartilhou uma reportagem sobre o assunto e, em seguida, escreveu: “acabooooooou porraaaaaaa!!! Chupa que é de uva kkkkkkkk”. A postagem teve apenas uma curtida – a dela própria.

Ex-assessora de Flávio Bolsonaro na Assembleia Legislativa do Rio (Alerj) quando ele era deputado estadual, Val Meliga é conhecida nos bastidores da política como uma espécie de “caixa-preta”, ou seja, a pessoa que conhece muitos segredos da família Bolsonaro. Por anos, ela controlou, com aval de Flávio, a entrada e saída de dinheiro do PSL no estado do Rio. O senador e o pai dele, o presidente Jair Bolsonaro, já foram filiados ao partido.

A comemoração de Val Meliga nas redes sociais
A comemoração de Val Meliga nas redes sociais Reprodução/VEJA.com

No último dia 9, o STJ acolheu um recurso da defesa de Flávio Bolsonaro e anulou todas as decisões tomadas pela Justiça fluminense nas investigações da rachadinha – esquema ilegal no qual o parlamentar fica com parte dos salários dos assessores de seu gabinete. Com isso, os atos do juiz Flávio Itabaiana, em primeira instância, foram anulados, incluindo provas colhidas em buscas e apreensões ou documentos obtidos a partir de decisões do magistrado. O senador, o ex-assessor Fabrício Queiroz e mais 15 investigados foram denunciados pelo Ministério Público estadual por organização criminosa, peculato, lavagem de dinheiro e apropriação indébita. Flávio sempre negou as acusações.

Em dezembro de 2019, reportagem de VEJA mostrou indícios de diversas irregularidades na prestação de contas apresentada pelo PSL do Rio nas eleições de 2018. À época, o presidente regional da legenda era Flávio Bolsonaro, que naquele pleito iria se tornar senador. De acordo com o levantamento feito por VEJA, Val foi a escolhida pelo Zero Um para comandar a campanha eleitoral, inclusive assinando cheques em nome do político.

Val Meliga também foi centro de outra polêmica. Em maio do ano passado, o empresário Paulo Marinho, suplente de Flávio no Senado, acusou o vazamento da Operação Furna da Onça, que culminou na prisão de diversos parlamentares do estado em novembro de 2018. Segundo Marinho, Miguel Braga, chefe de gabinete de Flávio, acompanhado de um advogado e de Val Meliga encontraram um delegado na porta da Superintendência da Polícia Federal do Rio onde foram avisados da ação. Em depoimento, todos negaram as declarações do empresário, ex-aliado do clã Bolsonaro.

Em 27 de agosto deste ano, Flávio Bolsonaro e Val Meliga participaram da posse do novo secretário de Polícia Militar do Rio, coronel Luiz Henrique Marinho. Os dois posaram juntos para fotos. Irmã de ex-PMs presos em operação de combate a milícias, ela também já marcou presença em outros eventos da corporação.

Continua após a publicidade

Publicidade