Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Carta ao Leitor: A chance perdida

Na corrida eleitorlal, os principais candidatos à Presidência da República passaram ao largo dos temas de real importância para o Brasil

Por Da Redação
Atualizado em 30 set 2022, 17h49 - Publicado em 30 set 2022, 06h00

Ao longo dos últimos dois meses, os principais candidatos à Presidência da República passaram ao largo dos temas de real importância para o Brasil. Pareciam alheios (salvo os raros instantes de lucidez que confirmam a regra) à atual situação econômica do mundo e do país, como se só lhes restasse alimentar a polarização ideológica que tanto empobrece as discussões atuais. O Brasil que espera o novo mandatário em janeiro de 2023, não importa qual seja o vencedor, enfrentará dificuldades bastante espinhosas. Além dos nossos problemas atávicos, a exemplo da pobreza alimentada pelo fosso social, podemos encarar a falta de liquidez global, causada por um mundo em recessão depois de quase três anos de pandemia, em cenário agravado pela eclosão da guerra na Ucrânia. Não será fácil.

A lista de assuntos que mereciam mais atenção, portanto, é imensa. Contudo, e sobretudo entre os candidatos que despontam à frente nas pesquisas de intenção de votos, o caminho escolhido foi outro. O ex-presidente Lula, sem nem sequer apresentar um programa econômico claro, pediu aos eleitores um cheque em branco — como se o bom desempenho no primeiro mandato, entre 2003 e 2006, autorizasse franco otimismo em condições completamente diferentes. O atual presidente, Jair Bolsonaro, comportou-se como sempre, respondendo com rispidez — e muitas vezes com misoginia — a perguntas delicadas. Foi capaz apenas de prometer a manutenção do Auxílio Brasil, sem nem mesmo defender de forma mais explícita algumas boas conquistas de seu governo, como a privatização da Eletrobras, a autonomia do Banco Central e a reforma da Previdência. Ambos, Lula e Bolsonaro, escondem o óbvio: o Brasil de 2023 estará numa situação mais desafiadora do que quando receberam a faixa presidencial. A novos percalços, o correto seria a oferta de soluções concretas e um debate profundo sobre as melhores propostas. Mas não foi o que se viu, ao menos até o momento. Caso a escolha do presidente vá para o segundo turno, haverá tempo para que eles se aprofundem sobre o que pretendem fazer no governo. Embora o mais provável seja a manutenção da guerra.

Um modo de enfrentar os obstáculos do Brasil, por óbvio, seria entendê-los, estudá-los e debatê-los. De nada adianta manter as discussões ao ritmo de mais do mesmo — como se ao país não coubesse outro destino a não ser a escolha entre opostos. Reportagem da edição esmiúça alguns dos assuntos que precisariam ter sido levados aos debates e ao horário gratuito, mas foram “esquecidos” pelos candidatos: a redefinição do papel do Estado na economia, o reequilíbrio entre os poderes, a recuperação do déficit de ensino gerado durante a pandemia e, claro, a redução da desigualdade, além de outros nós que pedem correção de rumo. A campanha poderia ter servido a esse importante passo civilizatório — um olhar para o futuro. Lamentavelmente, nada disso aconteceu neste primeiro turno.

Publicado em VEJA de 5 de outubro de 2022, edição nº 2809

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.