Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Bolsonaro defende mineração na Amazônia e exploração da Renca

Em 2017, ex-presidente Michel Temer ensejou flexibilizar mineração na área, mas recuou após pressão de ambientalistas

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) defendeu, nesta sexta-feira, 12, a exploração da Reserva Nacional de Cobres e Associados (Renca), com objetivo de trazer “riquezas” para os estados amazônicos. “Vamos conversar sobre a Renca? A Renca é nossa. Vamos usar as riquezas que Deus nos deu para o bem-estar da nossa população”, afirmou.

Bolsonaro fez a defesa durante viagem ao Amapá, onde inaugurou o novo aeroporto de Macapá.

A exploração da Renca chegou a ser liberada no governo do ex-presidente Michel Temer (MDB), mas após pressão popular e de organizações ambientais, Temer recuou. Bolsonaro afirmou que no governo dele não haveria problemas com o Ministério do Meio Ambiente.

Veja também

“A Amazônia pode ser uma solução para o mundo e não um problema para nós”, disse ele. “Vocês não terão problema com o ministro do Meio Ambiente, de Minas e Energia ou de qualquer outro.”

A Renca tem o tamanho do Espírito Santo e é rica em ouro, ferro e cobre. A área, originalmente, não era uma área de proteção ambiental. Ela foi criada para assegurar a exploração mineral ao governo, mas, com o passar dos anos, acabou ajudando a proteger a região, na Calha Norte do Rio Amazonas, que é hoje uma das mais bem preservadas da Amazônia. Bolsonaro criticou a dificuldade de entrar na área e o que chamou de “indústria da demarcação indígena”.