Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Bolsonaro afirma que nazismo, ‘sem dúvidas’, é de esquerda

Na saída do Museu do Holocausto, presidente adere à tese de seu chanceler, Ernesto Araújo, considerada um absurdo por estudiosos alemães

O presidente Jair Bolsonaro aderiu à exótica tese de seu chanceler, Ernesto Araújo, e afirmou em Jerusalém que o nazismo, “sem dúvidas”, foi um movimento de esquerda. “O nome não é Partido Nacional Socialista?”, rebateu a uma pergunta da imprensa, referindo-se ao Partido Nacional Socialista dos Trabalhadores Alemães, de Adolf Hitler.

Bolsonaro deu essa declaração logo no fim de sua visita ao Museu do Holocausto de Jerusalém, o Yad Vashem. O museu, porém, não faz a mesma leitura do presidente e do chanceler brasileiros. “O Partido Nazista foi a consequência de um pequeno círculo extremamente antissemita e de direita que começou a se reunir em novembro de 1918”, informa em seu portal na internet.

À noite, questionado novamente no hotel em que está hospedado se discordava da versão do Museu do Holocausto, Bolsonaro se irritou com a imprensa. “Olha, para com isso. Nós estamos fora do Brasil. Foi uma pauta positiva. Eu quero tratar vocês com o respeito que vocês merecem. Essas perguntas menores é pra dar manchetes negativas em jornais. Não vou responder isso aí, no Brasil eu respondo pra vocês. Aqui a pauta foi positiva.”

A tese, entretanto, voltou a ser defendida minutos depois por Araújo, que já a havia mencionado em em seu blog, Metapolítica 17, e em entrevista para o portal de direita Brasil Paralelo. Para ele, seu estudo sobre o tema é mais profundo do que as “classificações muito superficiais” do nazismo como um movimento de extrema direita.

“Tem que se avaliar o conteúdo, o que se entende por totalitarismo, o que se entende por extrema direita, por extrema esquerda ao longo da história”, disse. “Muitas vezes, uma associação do nazismo com a direita foi usada para denegrir movimentos e linhas de pensamento de direita que não têm nada a ver com o nazismo.”

O deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), filho do presidente, não se manifestou. Mas defendeu a mesma tese em alguns de seus posts nas redes sociais entre 2015 e 2017.

Versão alemã

A agência estatal alemã Deutsche Welle não deixou essas ousadias em branco. No último dia 28, publicou uma reportagem intitulada “Nazismo de esquerda: o absurdo virou discurso oficial em Brasília”. No texto, considera essa tese “desonesta e sem sentido” e  argumenta que o termo “socialista”, empregado no nome do partido, fazia parte da estratégia eleitoral para atrair a classe trabalhadora.

A Deutsche Welle respaldou sua reportagem em declarações de estudiosos do tema. “Quando um ministro do Exterior faz esse tipo de afirmação, considero altamente problemático diplomaticamente e um absurdo cientificamente”, afirmou a historiadora Stefanie Schüler-Springorum, diretora do Centre de Pesquisas sobre Antissemitismo da Universidade Técnica de Berlim.

Wulf Kasteiner, da Universidade de Aarthus, explicou à agência alemã que o nazismo nunca seguiu a política da esquerda. “Ao contrário, propagava valores da extrema direita, um extremo nacionalismo, um extremo antissemitismo e um extremo racismo. Nenhum especialista sério considera hoje o nazismo de alguma forma um fenômeno de esquerda. Por isso, da perspectiva acadêmica histórica, essa declaração é uma ‘asneira’.”

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Paulo Bandarra

    Os Brasileiros desconhecem o Estado Novo de Getúlio Vargas.

    Curtir