Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

As conversas de Lula e de caciques do MDB para minar a terceira via

Ex-presidente estimula diretórios regionais emedebistas a não apoiar a pré-candidatura da senadora Simone Tebet ao Palácio do Planalto

Por Laryssa Borges Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 11 abr 2022, 14h53 - Publicado em 10 abr 2022, 11h12

O ex-presidente Lula desembarcará em Brasília para uma nova rodada de conversas com a velha guarda do MDB. O motivo: negociar o apoio de grandes caciques regionais da sigla para evitar o fortalecimento de uma candidatura presidencial de terceira via que eventualmente ameace o cenário que hoje, segundo as principais pesquisas eleitorais, é amplamente favorável ao petista. Nos últimos dias, Lula tem estimulado reuniões de próceres do MDB, como o ex-presidente José Sarney, o senador Renan Calheiros e o ex-presidente do Congresso Eunício Oliveira, para, entre outras coisas, desidratar praticamente no nascedouro movimentos como a pré-candidatura da senadora Simone Tebet (MDB-MS) ao Palácio do Planalto.

Embora o partido, ao lado do PSDB e do União Brasil, tenha definido o dia 18 de maio como data de anúncio de uma candidatura única do chamado centro democrático, políticos históricos do MDB concordaram em não torpedear de público o projeto político de Tebet em troca de receberem carta branca para fechar as alianças que lhes parecerem mais vantajosas em nível regional. A ideia é que, até o final de maio, entre 11 e 14 diretórios da sigla se manifestem publicamente contra uma candidatura própria e anunciem a intenção de apoiar Lula na disputa de outubro. A cúpula emedebista já precificou o apoio de parte dos diretórios ao ex-presidente e tem projeções bem mais modestas sobre a força dos caciques regionais em prol de Lula – seis diretórios.

“Para fazer o enfrentamento do Bolsonaro tem que ser com a candidatura do Lula. Não tem nada em segredo. Temos 14 diretórios cujas lideranças preferirão Lula, lideranças que têm projeto de poder estadual, têm governo, têm prefeituras de capitais e têm uma grande quantidade de prefeituras nos municípios”, disse o senador Renan Calheiros (MDB-AL) a VEJA. Ele é um dos artífices do movimento anti-Simone Tebet no partido e um dos organizadores da reunião com o ex-presidente Lula. “Lula virá a Brasília e vamos conversar sobre circunstâncias estaduais, como ficarão os apoiadores do Lula no MDB e como encaminharemos nossa posição na convenção partidária”, afirmou.

Em Roraima, outro emedebista de proa, o ex-senador Romero Jucá, que concorrerá a uma vaga ao Senado, também atua descolado da candidatura presidencial emedebista, mas neste caso flerta com o bolsonarismo. Jucá compõe chapa com um candidato a vice-governador pelo PL, sigla que hoje abriga o presidente da República.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.