Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Após diálogos vazados, PT pede afastamento de Dallagnol do MP

Em ação apresentada ao conselho do órgão, partido alega que ele e outro procurador da Lava Jato, Roberson Pozzobon, tentaram obter vantagens com palestras

Por Da redação
Atualizado em 15 jul 2019, 18h39 - Publicado em 15 jul 2019, 17h50

O Partido dos Trabalhadores pediu nesta segunda-feira, 15, o afastamento imediato por 120 dias dos procuradores da força-tarefa da Lava Jato Deltan Dallagnol e Roberson Pozzobon ao Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP), uma espécie de corregedoria do órgão.

A reclamação disciplinar baseia-se nas informações publicadas no domingo 14 pelo jornal Folha de S.Paulo e pelo site The Intercept Brasil de que Dallagnol teria planejado montar uma empresa para fazer palestras com o seu colega Pozzobon. Segundo os diálogos, o negócio seria conduzido pelas mulheres dos procuradores para burlar a lei que impede que procuradores gerenciem negócios particulares; eles podem apenas ser sócios e visava obter lucro com o “networking e a visibilidade” deles.

A ação é assinada pelos deputados Gleisi Hoffmann (PT-PR), presidente nacional do PT, e Paulo Pimenta (PT-RS), líder do partido na Câmara, e por Humberto Costa (PT-PE), que lidera a legenda no Senado, e é endereçada à procuradora-geral da República, Raquel Dodge, presidente do CNMP. Gleisi e Costa respondem a inquéritos por suspeitas de recebimento de propina no âmbito da Lava Jato.

No pedido, a bancada do PT argumenta que Dallagnol quis obter “vantagens adicionais aos vencimentos do cargo não previstas em lei” e que Pozzobon faltou com o “decoro, zelo e probidade”. “Os graves fatos tornados públicos pela referida matéria apontam para o exercício do comércio direto e pela participação indireta e simulada de sociedade comercial”, acusa o partido.

“Evidente, portanto, que os reclamados atuaram como empresários, dispostos a realizar plano de negócios, assumir os riscos de lucro ou prejuízo do negócio, com o envolvimento direto com empresários para rateio de lucros, e, até mesmo, a implicação de familiares – esposas e tio – na empreitada comercial profissional”, acrescenta o texto.

Em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo publicada no domingo 14, Dallagnol afirmou que os diálogos vazados visam forçar anulações de processos da Lava Jato, que pela força-tarefa já passaram mais de 30 servidores alguns, inclusive, “eleitores do PT” e que não é possível atestar a autenticidade das conversas. “A mudança de uma palavra, a inserção de um “não” ou a abstração de contextos podem mudar significados. E o que temos visto são indícios de edição e evidências de que supostas mensagens, na forma como são apresentadas, contrastam com a realidade”, disse ele.

OUÇA OS PODCASTS DE VEJA

Já ouviu o podcast “Funcionário da Semana”, que conta a trajetória de autoridades brasileiras? Dê “play” abaixo para conhecer a história, os atos e as polêmicas do procurador Deltan Dallagnol. Confira também os outros episódios aqui.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.