Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês

A realidade paralela de Lula e do PT

Assim como Jair Bolsonaro, petista diz que houve fraude nas eleições de 2018 e que o partido foi vítima de uma conspiração para tirá-lo do poder

Por Hugo Marques Atualizado em 5 out 2021, 09h53 - Publicado em 2 out 2021, 11h34

Durante solenidade de filiação do ex-governador da Paraíba Ricardo Coutinho ao PT, na quinta-feira (30), o ex-presidente  Lula afirmou que houve um golpe nas eleições de 2018, na qual o presidente Jair Bolsonaro foi eleito. “Vocês estão percebendo que nós tivemos um golpe na Dilma, depois nós tivemos um golpe nas eleições de 2018”, disse Lula, na TV PT.

Em 2018, a eleição presidencial foi realizada em dois turnos. O primeiro ocorreu dia 7 de outubro e o segundo dia 28 de outubro. A disputa em 2018 ocorreu entre Bolsonaro, então no PSL, e Fernando Haddad, do PT. Durante a campanha, Bolsonaro foi atacado com uma faca por Adélio Bispo de Oliveira, que tinha sido filiado ao PSOL por 7 anos. Lula não explicou por que considerou ter havido um golpe nas eleições presidenciais em 2018.

Vários parlamentares e dirigentes do PT, no entanto, recentemente reproduziram nas redes sociais a versão fantasiosa de que a tentativa de atentado contra Bolsonaro tinha sido falsa, ou seja, que a facada teria sido forjada pelo próprio candidato, para ser eleito. Essa versão foi difundida após lançamento de um documentário do site Brasil 247, alinhado ao PT, sob o título: “Bolsonaro e Adélio, Uma Fakeada no Coração do Brasil“. Fakeada seria uma mistura de facada com fake news, notícia falsa. O presidente, por sua vez, acredita que vítima de uma conspirata de esquerdistas.

Outra versão amplamente divulgada pelo partido é que a Operação Lava-Jato, com as condenações impostas a Lula pelo juiz Sergio Moro, foi um golpe para tirar o petista do páreo. Em março, o líder do PT na Câmara, Bohn Gass (RS), denunciou o que chamou de “a farsa do golpe e da Lava-Jato”, ao comentar decisão do ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), que anulou condenações de Lula.

O ex-presidente deixou claro que, no seu entender, há um novo “golpe” contra ele e o PT em curso, com a participação dos veículos de comunicação. “Agora nós temos uma novidade no Brasil. Nós estamos vendo alguns canais de televisão que participaram do golpe, que não quiseram que o PT continuasse governando, estão fazendo vestibular para as eleições de 2022”, disse Lula.

Lula disse que seu principal adversário pode sair da disputa. “A Rede Globo de Televisão e os meios de comunicação estão tentando fazer um Enem, um vestibular para ver quem é que vai disputar as eleições conosco”, disse Lula. “Eles já dão de barato que eles podem derrotar o Bolsonaro, eles já dão de barato que o Bolsonaro pode não ir para o segundo turno, mas os ataques a nós está no fato de eles estarem preocupados que a gente possa ganhar as eleições no primeiro turno”.  O presidente vive repetindo, sem mostrar provas, que houve fraude nas eleições de 2018.

Lula, a exemplo de Jair Bolsonaro, convive com uma realidade paralela.

Continua após a publicidade

Publicidade