Clique e assine a partir de 9,90/mês

A prisão de Junior da Qualicorp e a preocupação petista

Segundo Antônio Palocci, empresário ganhou contrato na Petrobras e deu dinheiro ao filho do ex-presidente Lula

Por Nonato Viegas - Atualizado em 21 jul 2020, 15h21 - Publicado em 21 jul 2020, 14h39

Petistas estão preocupados que a prisão do empresário José Seripieri Júnior, fundador e acionista da Qualicorp, nesta terça-feira, 21, possa chegar no ex-presidente Lula. Segundo integrantes do partido ouvidos por VEJA, o empresário mantinha uma relação de muita proximidade com Lula. E creditam à amizade entre os dois o fato de que a Qualicorp tenha assumido a gestão do plano de saúde dos funcionários da Petrobras, em 2014, sem licitação. O contrato assegurava benefício de saúde a mais de 250.000 pessoas. A proximidade era tanta, lembra um petista, que Lula chegou a levar a família para passar a virada do ano de 2012 para 2013 na casa do Seripieri em Angra dos Reis.

ASSINE VEJA

Crise da desigualdade social: a busca pelo equilíbrio Leia nesta edição: Como a pandemia ampliou o abismo entre ricos e pobres no Brasil. E mais: entrevista exclusiva com Pazuello, ministro interino da Saúde
Clique e Assine

No ano passado, a coluna Radar, de VEJA, revelou que Antonio Palocci afirmara em sua tentativa de acordo de delação premiada que a Qualicorp repassou dinheiro para o Instituto Lula, ao PT e à Touchdown, empresa de Luís Claudio Lula da Silva, filho mais novo de Lula. Os pagamentos, segundo o ex-ministro, teriam sido feitos em troca de “benefícios concedidos pelo governo” à empresa na Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS). Na ocasião, a Qualicorp negou ter recebido benefício público, afirmando que sua atividade é privada. Contudo, o temor de petistas é que, preso, Júnior arraste novamente o PT e o ex-presidente para o noticiário sobre corrupção.

Publicidade