Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

A meta eleitoral de Arruda no ninho bolsonarista

Mandachuva do PL, Valdemar Costa Neto quer ex-governador pivô do mensalão do DEM como puxador de votos no DF

Por Laryssa Borges Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 25 jul 2022, 08h40 - Publicado em 24 jul 2022, 14h36

Poucos meses foram tão turbulentos para a disputa eleitoral em Brasília quanto julho, mês em que o ex-governador do Distrito Federal José Roberto Arruda (PL) retomou os direitos políticos e se apresentou no páreo para concorrer ao Palácio do Buriti contra o atual governador Ibaneis Rocha (MDB). Protagonista do escândalo do mensalão do Democratas em 2009, quando apareceu em vídeos recebendo maços de dinheiro de propina de empresas que prestavam serviços para o governo do Distrito Federal, Arruda foi banido da política por 12 anos e agora, de volta ao xadrez político na capital, recebeu do presidente do PL Valdemar Costa Neto a missão de disputar uma vaga à Câmara dos Deputados com a perspectiva de, como possível recordista de votos, eleger consigo pelo menos mais dois deputados federais pela sigla.

Entre outras coisas, a meta visa a conter eventuais insatisfações de outros pré-candidatos do PL à Câmara, como a deputada Bia Kicis (PL-DF), que disputaria o mesmo perfil de eleitor que Arruda e com chances de ter uma votação menos expressiva do que o ex-chefe do Executivo. Pela lógica de Valdemar, com Arruda como puxador de votos, outros expoentes do bolsonarismo, como a própria Kicis, não correriam o risco de ficar fora da lista de eleitos.

Embora o plano inicial do ex-governador fosse bater de frente com Ibaneis pelo comando do Executivo local, nos últimos dias Valdemar e o senador Flávio Bolsonaro se reuniram com o presidente Jair Bolsonaro a fim de convencê-lo de que a existência de um palanque duplo de nomes identificados com eleitores de centro-direita não seria a melhor costura eleitoral para os planos do ex-capitão. O motivo é menos pela existência de dois candidatos brigando entre si e mais pela prioridade política do PL de se manter como uma grande bancada na Câmara dos Deputados – atualmente é a maior com 77 parlamentares – e apostar em Arruda como um puxador de votos nas eleições proporcionais. O critério para distribuição dos bilionários recursos do fundo partidário, frise-se, é exatamente a quantidade de deputados vitoriosos na disputa de outubro.

Eleito sob a promessa de endurecer o combate à corrupção, na época potencializado pela Operação Lava-Jato, Bolsonaro trocou o discurso que o levou pela primeira vez ao Palácio do Planalto pela tentativa de domar a economia e controlar a inflação, tema que, segundo as pesquisas de intenção de votos, é o que mais preocupa o eleitor que estará nas urnas em outubro. Ainda assim não deixa de ser sintomático que na busca por um novo mandato o presidente tenha reunido em torno de si dois personagens ligados ao mensalão: o escândalo de que participou o dono de seu partido Valdemar Costa Neto, condenado à cadeia por corrupção no governo do PT, e agora o mensalão do Democratas, no qual o neoaliado Arruda foi filmado à luz do dia embolsando dezenas de milhares de reais em propina.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.