Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

A declaração de guerra do ministro da Defesa ao TSE

General Paulo Sérgio de Oliveira diz que militares são tratados com indiferença e que o resultado da eleição será auditado com ou sem o aval do tribunal

Por Daniel Pereira
Atualizado em 9 jul 2022, 18h42 - Publicado em 9 jul 2022, 12h51

Jair Bolsonaro usou a reunião ministerial da última terça-feira, 5, para difundir entre os seus auxiliares as suspeitas — nunca comprovadas — de que as urnas eletrônicas não são confiáveis e serão fraudadas para dar a vitória a Lula na corrida presidencial deste ano. A retórica do presidente é conhecida, mas ganhou um reforço de peso com a adesão dos militares, com destaque para o ministro da Defesa, general Paulo Sérgio Nogueira de Oliveira.

Na reunião, que contou com a presença dos comandantes de Exército, Marinha e Aeronáutica, Oliveira fez uma fala contundente contra a cúpula da Justiça eleitoral, afirmando que as Forças Armadas foram convidadas para colaborar com a transparência das eleições, mas agora são ignoradas, desrespeitadas e negligenciadas. Ele alegou que não há diálogo de fato entre as partes, nem discussões técnicas, e reclamou que o tribunal não respondeu à maioria das sugestões encaminhadas por sua equipe.

Segundo o relato de participantes do encontro a VEJA, o general disse que, em razão de tal postura da cúpula do Tribunal Superior Eleitoral, as Forças Armadas elaborarão um cronograma para “exigir” do TSE as respostas aos seus questionamentos. Se preciso for, convocarão a comissão de transparência da Corte para prestar os esclarecimentos que consideram necessários. Caso as respostas solicitadas não sejam dadas a tempo e a contento, uma auditoria da votação poderá ser realizada.

Ou seja: se a ameaça for cumprida, os militares podem, em última instância, não reconhecer uma eventual vitória de Lula. “As Forças Armadas terão um cronograma de fiscalização quer o TSE queira ou não”, afirmou um auxiliar de Bolsonaro, resumindo o teor da fala do ministro da Defesa. 

Continua após a publicidade

O Ministério da Defesa se manifestou por meio de nota oficial.

“Não procede a informação de que o Ministro da Defesa teria dito, durante reunião no Palácio do Planalto, que irá impor um calendário ao TSE para analisar as 15 propostas das Forças Armadas feitas junto à Comissão de Transparência das Eleições (CTE).

No encontro, o Ministro fez referência às propostas, cujo teor já é de conhecimento público, e disse que as Forças Armadas continuam participando da CTE, conforme definição dos trabalhos feita pelo TSE e de forma colaborativa.”

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.