Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

A aproximação do PROS a Bivar ainda em busca de uma terceira via

Somados, os dois candidatos a presidente da República não chegam a 2% das intenções de voto

Por Ricardo Chapola Atualizado em 6 jul 2022, 21h10 - Publicado em 6 jul 2022, 17h27

O pré-candidato do PROS à Presidência, o empresário Pablo Marçal, se reuniu nesta terça-feira, 5, com Luciano Bivar, presidente do União Brasil e também postulante na corrida ao Palácio do Planalto. O encontro é considerado simbólico para o PROS, que tem procurado uma alternativa para cacifar seu representante na disputa presidencial.

A reunião foi registrada por Marçal e rendeu uma foto que foi compartilhada por ele com pompa em seu perfil no Instagram. O tema em pauta foi basicamente a proposta de Bivar sobre o imposto único, bastante elogiada pelo candidato do PROS.

“Esse aperto de mão vai mudar a história da eleição. Encantado com o pré-candidato à presidência do Brasil Luciano Bivar. Temos muitas coisas em comum e uma delas agora é o imposto único. Vamos aposentar o Lula e o Bolsonaro”, escreveu o empresário.

Uma chapa com o União Brasil, o maior partido do país, é uma espécie de sonho de consumo de parte dos coordenadores da campanha de Marçal. Ao contrário do União Brasil, o PROS é considerado um partido nanico e busca alternativas para contornar a conhecida cláusula de barreira – dispositivo que estabelece regras para que um partido consiga acessar recursos do fundo partidário e do horário eleitoral.

O objetivo da aliança pretendida pelo PROS seria aliar a capilaridade que Marçal tem na internet e sua influência no eleitorado evangélico com o latifúndio que o União Brasil representa em termos de estrutura, principalmente no que diz respeito a dinheiro e exposição na TV.

A legenda comandada por Bivar terá quase R$ 1 bilhão para gastar na campanha, somando os valores a que a sigla tem direito dos fundos eleitoral e partidário. Ela também ocupará um sexto de todo o tempo disponível do horário eleitoral no rádio e na TV. O restante será dividido por outras 25 legendas.

A avaliação é de que a composição entre Marçal e Bivar tem potencial para tirar votos que hoje são prometidos a Bolsonaro, pré-candidato à reeleição – em especial os do eleitorado evangélico. Outro argumento usado por essa ala do PROS para defender essa ideia é de que seria mais uma chance de criar uma terceira via competitiva, tendo em vista que a pré-candidatura da senadora Simone Tebet (MDB) não deslanchou até agora.

A pesquisa de intenção de voto mais recente divulgada pela Quaest nesta quarta-feira, 6, mostra Marçal com 1%, enquanto Bivar nem sequer pontua no levantamento.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)