Clique e assine a partir de 9,90/mês

A relação tóxica de Bolsonaro com seus assessores

Thomas Traumann analisa como o governo trata alguns de seus integrantes

Por Thomas Traumann - Atualizado em 8 Jun 2020, 16h52 - Publicado em 8 Jun 2020, 16h12

Carlos Wizard cresceu em uma classe média baixa de Curitiba e se tornou bilionário criando uma técnica própria de ensino de idiomas. Há alguns anos, ele vendeu a rede de escolas e passou a ser investidor de vários grupos empresariais. Missionário mórmon, Wizard se mudou para Rondônia onde passou a trabalhar como voluntário para ajudar imigrantes venezuelanos.

Regina Duarte construiu uma das mais longevas carreiras da TV brasileira. Nos anos 70, ela foi a namoradinha do Brasil e nos anos 80, foi o símbolo da nova mulher.

Sérgio Moro era um juiz do Paraná que comandou a maior investigação sobre corrupção no Brasil. Ele condenou empreiteiros e políticos e foi considerado uma das cem pessoas mais importantes do mundo para a revista Time. Sua atuação no ambiente político foi fundamental para o impeachment de Dilma Rousseff e para a eleição de Jair Bolsonaro em 2018.

Em comum, todos participaram do governo Bolsonaro em algum momento da história. E todos saíram diminuídos, humilhados ou contaminados.

Entenda nesta edição do podcast Traumann Traduz

Publicidade