Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Radicalismo político é ‘ameaça à racionalidade’, diz Steven Pinker

O psicólogo canadense critica os extremos à esquerda e à direita e atribui às redes sociais a culpa pela disseminação de notícias falsas

Por André Sollitto Atualizado em 28 mar 2022, 16h03 - Publicado em 25 mar 2022, 06h00

Um dos mais influentes divulgadores científicos da atualidade, o psicólogo e teórico evolucionista Steven Pinker, de 67 anos, se debruçou sobre um dilema que afeta a vida de todos nós. A humanidade, ao mesmo tempo que é capaz de feitos incríveis, como o desenvolvimento da vacina contra a Covid-19 em menos de um ano, parece regredir no tempo ao acreditar em falsas curas, espalhar mentiras nas redes sociais e voltar à guerra após décadas de paz. Como isso é possível? O resultado de sua análise está em Racionalidade — O que é, por que Parece Estar em Falta e por que é Importante (Intrínseca), que acaba de chegar ao Brasil. Segundo Pinker, as pessoas naturalmente acreditam naquilo que as faz se sentir melhor, nem que para isso tenham de negar a pandemia ou os efeitos nefastos das mudanças climáticas. Na entrevista a seguir, o pesquisador canadense analisa os perigos da irracionalidade para a sobrevivência da própria espécie humana, fala sobre a terrível contribuição das redes sociais na disseminação de notícias falsas e aponta o dedo para os riscos que o radicalismo político, tanto à esquerda quanto à direita, pode trazer para o debate racional.

Faz sentido temer que a invasão da Ucrânia pela Rússia se transforme na III Guerra Mundial? As pessoas deveriam mesmo estar razoavelmente preocupadas com a situação, porque ela representa um perigo enorme. É uma grande quebra da tendência de paz dos últimos 75 anos. É, afinal, o primeiro conflito bélico entre países da Europa desde o fim da II Guerra, tirando a invasão da Hungria, em 1956, pela União Soviética. Se a Rússia anexar a Ucrânia, seria a primeira vez que um Estado reconhecido globalmente deixaria de existir por meio de uma conquista desde os anos 1940. Também é primeira grande guerra entre países fora do Oriente Médio e da África.

É possível explicar a invasão de forma racional, como tentam fazer alguns analistas? Eu não acho que se trata de um conflito relacionado à segurança. A Rússia não tem realmente medo de ser invadida pela Ucrânia ou por países-membros da Otan. Isso nos leva a Vladimir Putin, que claramente é o responsável. Se fosse outra pessoa comandando a Rússia, provavelmente essa guerra não teria acontecido. Mas há um padrão, e podemos identificá-lo a partir de uma perspectiva histórica, de líderes narcisistas, sem empatia, que têm o desejo de poder ilimitado, glória, influência e prestígio.

A sociedade não deveria criar barreiras para frear o ímpeto de líderes desse tipo? Nos sistemas políticos bem desenvolvidos, há garantias para impedir que pessoas com essa personalidade tomem conta do país. Claramente, nem sempre funcionam, e elas certamente não são usadas na Rússia. O resultado é uma única pessoa tomando decisões que podem levar a milhares de mortes. O exemplo de Putin mostra como os objetivos de alguns líderes podem não ser materiais, como território ou recursos. Putin sacrificou tudo em favor de prestígio.

“As redes sociais merecem parte da culpa pela desinformação. Nelas, as ideias mais populares não são aquelas comprometidas com a verdade, mas as mais empolgantes”

O que poderia evitar esse tipo de situação? Idealmente, teríamos um sistema internacional, com a participação da ONU e de outras organizações globais, com leis e normas criadas para impedir que o desejo por poder ou prestígio se transforme em guerra. Obviamente, não foi o que aconteceu. A prioridade, agora, é fazer com que a matança pare, e isso pode exigir um exame de nosso senso de honra em aceitar derrotas para impedir que mais pessoas continuem morrendo.

Deu-se uma guerra, que tirou parte da atenção global da Covid-19. E temos, agora, dois imensos problemas globais. Como explicar o comportamento ambíguo da sociedade na pandemia? Alguns dos impedimentos ao pensamento racional incluem intuições humanas básicas que provavelmente foram úteis ao longo da evolução mas que acabaram substituídas pela compreensão científica. Veja as vacinas. Elas consistem na introdução de um patógeno dentro do organismo. Sempre foi algo contraintuitivo, e sofreu oposição desde que surgiu. Mas as pessoas são vacinadas porque superam essa barreira intuitiva a partir da confiança na medicina, na ciência e nos governos.

O que causou essa mudança de comportamento? Vemos as pessoas voltarem a confiar em suas intuições básicas, resistindo às vacinas, porque há uma falta de confiança nas instituições. A confiança precisa ser construída principalmente por agentes que não ajam como oráculos ou sacerdotes, ditando a verdade, mas se esforçando para mostrar porque aquilo é benéfico. Isso pode ser feito compartilhando dados e resultados para garantir que as instituições não polarizem a população ao propagandear uma inclinação, por exemplo, à esquerda, algo que os pesquisadores fazem com frequência, alienando as pessoas à direita do espectro político. Nos Estados Unidos, pelo menos, foram as pessoas alinhadas à direita que resistiram às máscaras e às vacinas.

Até que ponto podemos culpar as redes sociais pela disseminação de informações falsas? As redes sociais merecem parte da culpa pela desinformação. Uma maneira de conquistar grandes feitos de racionalidade é criar dispositivos, organizações e instituições comprometidas com a verdade. Assim, grupos de pessoas podem conquistar realizações muito maiores do que teriam capacidade sozinhas. A ciência, as universidades, as democracias e a imprensa livre são exemplos. Nas redes sociais, no entanto, as ideias mais populares não são aquelas comprometidas com a verdade, mas as mais emocionalmente excitantes.

É possível criar mecanismos para impedir a disseminação das notícias falsas nas redes? Não se trata apenas de redes sociais. O rádio também tem um papel relevante, assim como alguns canais de TV a cabo. Nos Estados Unidos, há emissoras tão politicamente polarizadas que se tornam promotoras, com um alcance enorme, de uma percepção ruim: só é possível acreditar naquilo que beneficia a sua coalizão política. Mas temos de combater as notícias falsas. As próprias redes sociais começaram a olhar para a questão. Deveríamos ajudar as pessoas, e isso começa nas escolas, a ser consumidoras de notícias mais conscientes e experientes.

Continua após a publicidade

Tem-se a impressão de que vivemos em uma guerra digital de desinformação. Mas o senhor afirma que informações falsas sempre foram usadas como ferramenta política. Certamente, não é algo novo na história da humanidade. Podemos pensar que as fake news e teorias da conspiração são uma nova invenção tecnológica que está criando todas essas mentiras. Mas é o padrão. Sempre foi assim. Basta olhar para as religiões, que são, basicamente, notícias falsas sobre fenômenos paranormais, com seus mitos e milagres. Conspirações existem desde o surgimento da linguagem. É sempre uma batalha, mas precisamos desenvolver ferramentas que nos resgatem de nossa propensão natural a acreditar em teorias falsas que nos fazem nos sentir bem.

Nesse contexto, como os espectros políticos contribuem para a disseminação de notícias falsas? Vemos comportamentos extremos dos dois lados do espectro político. Na direita, temos a disseminação de notícias falsas e teorias da conspiração feita por líderes políticos. Nos Estados Unidos, principalmente pelo ex-presidente Donald Trump, e deixo os leitores de VEJA fazerem suas próprias comparações com a situação brasileira. Da esquerda, temos a cultura de cancelamento, que pune quem expressa opiniões contrárias.

Como esses comportamentos prejudicam a busca pelo pensamento racional? Ambos os espectros são ameaças à racionalidade porque nós, como humanos, não somos deuses, nem oráculos. Só temos uma maneira de tentar alcançar a verdade: apresentar hipóteses e ideias, e depois avaliá-las, refutando aquelas que se mostram erradas. Se algumas ideias não podem nem mesmo ser expressadas, e outras não podem ser questionadas, então estamos desabilitando nosso mecanismo principal de chegar à verdade.

Há um limite para a liberdade de expressão e o discurso livre? Mesmo nos Estados Unidos, onde estamos na vanguarda da liberdade de expressão, devem existir limites. Alguns crimes são definidos por discursos e, se todo discurso for permitido, esses crimes deixarão de ser ilegais. Existem pequenas brechas que podem fornecer motivos para impor algum tipo de restrição ao discurso livre. Isso não significa que o conceito de discurso livre não é primordial, apenas que é possível identificar algumas exceções.

Como o senhor define racionalidade? É o uso de conhecimento para conquistar um objetivo.

“Na direita, temos a disseminação de notícias falsas. Na esquerda, o cancelamento. Se ideias não podem ser questionadas ou expressadas, desabilitamos o mecanismo para chegar à verdade”

Racionalidade e inteligência não são a mesma coisa? Não, embora sejam relacionadas. Pessoas mais inteligentes tendem a ser mais racionais, mas não de modo perfeito. Elas também podem ser vítimas de falácias e vieses, especialmente quando se trata de defender crenças morais de seu grupo.

Já ouvimos frases como “os seres humanos são irracionais”. Afinal, somos racionais ou irracionais? Somos bastante racionais a respeito das necessidades práticas de nossa vida cotidiana. A maioria das pessoas consegue manter seus trabalhos, se alimentar e educar os filhos. Mas, quando se trata de crenças, digamos, cósmicas, históricas ou políticas, é aí que vemos a irracionalidade entrar em cena. Acreditamos em coisas não porque elas são verdadeiras ou falsas, mas porque elas são moralmente edificantes. Além disso, nós não somos tão racionais quanto poderíamos ou deveríamos ser. A racionalidade tende a se misturar com nosso conhecimento cotidiano, nossos sensos comuns. Podemos expor áreas da irracionalidade humana se você as desafia com argumentos vindos de dados governamentais, reportagens sérias e estudos científicos.

Como fomentar o pensamento racional na sociedade? Podemos fazer isso de várias formas. Uma delas é por meio da educação, apresentando ferramentas que não são tão intuitivas para a maioria das pessoas, como lógica, probabilidade e estatística, temas que considero muito mais importantes do que parte do currículo atual, como trigonometria. As normas da racionalidade deveriam fazer parte de nosso entendimento comum, como adultos, de que a mente humana é vulnerável a vieses. Isso nos levaria a trocar de opinião quando mudam as evidências e questionar as “verdades imutáveis” de nossos grupos políticos.

Publicado em VEJA de 30 de março de 2022, edição nº 2782

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês