Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Viúva de refém morto quer que jihadista ‘John’ seja julgado

Em entrevista à rede BBC, Dragana Haines afirmou que a ‘última coisa’ que ela deseja é uma ‘morte honrosa’ para o carrasco, identificado como Mohammed Emwazi

Por Da Redação 27 fev 2015, 22h18

A viúva de um dos reféns ocidentais decapitados pelo terrorista do Estado Islâmico conhecido como ‘jihadista John’ disse querer que o terrorista seja capturado vivo. Em entrevista à rede britânica BBC, Dragana Haines afirmou que a “última coisa” que ela deseja para o homem que executou seu marido é uma “morte honrosa”, sendo eliminado em ação.

“Pessoas desse tipo acreditam que a morte em combate é uma honra, algo especial”, disse Dragana à agência de notícias Associated Press. “Eu acho que seria melhor se ele fosse julgado”. No entanto, a filha de Haines, Bethany, deu uma opinião diferente sobre o destino do terrorista. “Eu acho que todas as famílias vão se sentir aliviadas quando ele levar um tiro entre os olhos”, disse ontem à rede ITV News.

Leia também:

Jihadista ‘John’: de jovem gentil a carrasco do Estado Islâmico

Jihadista ‘John’, que matou reféns ocidentais, é identificado

Estado Islâmico destrói estátuas milenares em museu do Iraque

A família de outra vítima, o jornalista americano Steven Sotloff, também manifestou esperança de que ‘John’ seja preso. “Queremos ir a um tribunal acompanhar sua sentença e vê-lo sendo enviado a uma prisão de segurança máxima onde ele vai passar o resto da vida isolado”, disse um porta-voz da família, em declaração reproduzida pela BBC.

A mãe do jornalista americano James Foley, o primeiro refém ocidental a ser barbaramente degolado em um vídeo divulgado pelo Estado Islâmico, disse ao jornal britânico The Times ter perdoado o carrasco de seu filho. “Isso me entristece a continuidade do ódio. Ele se sentiu injustiçado, agora nós o odiamos. Isso apenas prolonga o ódio. Precisamos acabar com isso. Como mãe, eu o perdoo. Sabe, toda a situação é trágica”.

Continua após a publicidade

Identificado – ‘John’, que aparece com o rosto coberto nos infames vídeos de decapitação divulgados pelo Estado Islâmico, foi identificado nesta quinta-feira como Mohammed Emwazi, nascido no Kuwait e criado em Londres. A primeira vez que ele apareceu foi em agosto do ano passado, na gravação da execução de Foley. O ajudante humanitário Haines foi morto no dia 13 de setembro.

Leia mais:

Três homens são presos em NY por planejar se juntar ao EI

Estado Islâmico trafica órgãos para se financiar

‘Subcultura jihadista’ seduz jovens e engrossa fileiras do terror do Estado Islâmico

O procurador-geral Eric Holder disse à CNN que nada está descartado na caça ao terrorista. “Todos os envolvidos na morte de cidadãos americanos serão responsabilizados. Não importa onde você está, vamos encontrá-lo”, prometeu.

Ele não quis confirmar a identidade do jihadista John, mas insistiu que os Estados Unidos não vão descansar até levar à Justiça o homem visto nos vídeos de decaptação de reféns. “Seja por meio do uso de nossa força militar ou da capacidade legal, se você prejudicar americanos, é dever de cada pessoa no Executivo encontrá-lo, e nós vamos fazer isso”. Questionado se o país poderia chegar a enviar tropas para encontrar o carrasco, ele respondeu: “eu não descartaria nenhuma hipótese”.

(Da redação)

Continua após a publicidade
Publicidade