Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Venezuela pede que ONU ajude no controle da Covid-19 no Brasil

O governo de Nicolás Maduro disse que a 'alarmante' situação da pandemia no país é 'uma consequência da reiterada negligência criminosa' de Bolsonaro

Por Da Redação
Atualizado em 11 mar 2021, 11h55 - Publicado em 11 mar 2021, 11h35

A Venezuela pediu na quarta-feira 10 que as Nações Unidas intervenham no Brasil para controlar a crise sanitária causada pela escalada da pandemia de coronavírus, que o governo de Nicolás Maduro classificou como uma “tragédia”.

“O Brasil registrou hoje um novo número recorde de mortes por dia pela Covid-19. Há quatro dias, ratificamos ao secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, o que alertamos há nove meses: as Nações Unidas devem intervir para que o governo brasileiro assuma e controle a tragédia, e assim proteja toda a América do Sul”, disse Jorge Arreza, ministro das Relações Exteriores venezuelano, no Twitter.

Arreaza postou também uma carta datada de 6 de março e dirigida a Guterres na qual o governo de Maduro solicita “urgentes gestões e bons ofícios” junto às autoridades do Brasil, especialmente o presidente Jair Bolsonaro, para que reconheça a gravidade da pandemia e coordene com os países vizinhos ações contra a propagação do vírus.

O governo venezuelano também disse na carta que a “alarmante dinâmica epidemiológica” no país vizinho é “uma consequência da reiterada negligência criminosa” de Bolsonaro, a quem acusou de ser o “principal obstáculo” para salvar vidas no “pior momento da pandemia”.

“O presidente Jair Bolsonaro e seu governo se tornaram o pior inimigo dos esforços nacionais, regionais e internacionais, incluindo aqueles em níveis bilateral e multilateral, para mitigar os efeitos devastadores da pandemia da Covid-19 na região de América Latina e Caribe”, afirma o texto.

Continua após a publicidade

Devido a isso, “o Brasil está sendo levado a uma verdadeira catástrofe humanitária que põe em perigo a estabilidade de nossa região”, e apontou como “situação perigosa” para seu país o número de casos registrados nos estados do Amazonas e Roraima, que fazem fronteira com Venezuela.

O Brasil vive seu pior momento da pandemia, com o sistema de saúde à beira do colapso, vacinação atrasada devido à falta de doses e um novo recorde diário de 2.286 mortes por Covid-19 na quarta-feira – o maior registro do mundo no dia. O país tem um total de mais de 2,6 milhões de casos confirmados e 270.656 mortes (segundo maior número de óbitos, depois dos Estados Unidos).

Enquanto isso, a Venezuela registrou 143.321 casos desde o início da pandemia e 1.399 mortes. Há dúvidas sobre subnotificação. A vacinação no país ainda está no começo, com pouco mais de 12.000 doses do imunizante Sputnik V administradas – uma delas ao próprio Maduro.

(Com EFE)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.