Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Vencedora do Nobel da Paz começa greve de fome em prisão no Irã

Protesto de Narges Mohammadi tem como motivo a falta de atendimento médico para tratar de problemas cardíacos e pulmonares

Por Da Redação
Atualizado em 6 nov 2023, 15h46 - Publicado em 6 nov 2023, 15h25

A iraniana Narges Mohammadi, vencedora do último Prêmio Nobel da Paz, começou uma greve de fome nesta segunda-feira, 6, como forma de protesto pela falta de atendimento médico na prisão em que está detida, de acordo com a agência Human Rights Activists (HRANA). Defensora dos direitos da mulheres no Irã, ela cumpre sentença de 12 anos por difundir propagandas contra o Estado. O conjunto de todas as suas acusações soma 31 anos de reclusão, além de 154 chibatadas. Não é de conhecimento público se as penas físicas foram aplicadas.

“Mohammadi fez greve de fome para protestar contra o fracasso das autoridades em atender às suas exigências, incluindo a recusa em transferi-la para um hospital especializado”, disse a HRANA. “Esta privação continua por ordem das autoridades penitenciárias.”

Segundo a agência, Mohammadi foi impedida de visitar um hospital na semana passada para tratar de problemas cardíacos e respiratórios, já que a mulher de 51 anos se recusou a vestir o véu obrigatório na cabeça. A família alega que sua condição de saúde é frágil. Em resposta, entre 29 e 30 de outubro, um amplo conjunto de prisioneiras protestou pela inação dos responsáveis pela prisão de Evin, onde está detida desde 2021, frente o sofrimento da defensora dos Direitos Humanos, disse sua família em nota à agência de notícias Reuters.

+ Quem é Narges Mohammadi, vencedora do Prêmio Nobel da Paz

Continua após a publicidade

“Ela está disposta a arriscar a vida ao não usar o ‘hijab forçado’ nem mesmo para tratamento médico”, indicou o comunicado, antes do anúncio de greve nesta segunda-feira. 

Não é a primeira vez, contudo, que Mohammadi encara as duras condições da penitenciária de Teerã. Ela já foi presa mais de uma dúzia de vezes, sendo a sua terceira passagem por Evin desde 2012. A ativista procura combater a pena de morte no país, tendo iniciado sua militância ainda na década de 1990 ao defender a igualdade e os direitos femininos. Formada em física, a iraniana atuou como engenheira e passou a integrar, em 2003, o Centro de Defensores dos Direitos Humanos em Teerã, fundado por Shirin Ebadi, também ganhadora do Nobel da Paz.

No livro “White Torture” (Tortura Branca, em português), ela denuncia os abusos sofridos por prisioneiros do regime teocrático, tendo sido vítima de alguns deles. Na cerimônia do prêmio, realizada em 6 de outubro, o comitê afirmou que “reconhece o trabalho de centenas de milhares de pessoas que se manifestaram contra as políticas de discriminação e opressão do regime iraniano” – uma fala que enfureceu o país, que acusou a entidade de politizar a questão dos Direitos Humanos e de se intrometer nas decisões do governo. 

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.